Topo

Nestlé reforça testes para reduzir glifosato em grãos de café

Isis Almeida e Fabiana Batista

27/09/2019 10h05

(Bloomberg) -- A Nestlé está reforçando o controle sobre o café comprado pela empresa, depois que testes recentes mostraram que os grãos de alguns países continham níveis de glifosato próximos dos limites permitidos.

A maior torrefadora de café do mundo informou os fornecedores da Indonésia e do Brasil sobre os novos procedimentos, que entram em vigor a partir de 1º de outubro, de acordo com memorandos vistos pela Bloomberg. A empresa diz que as novas medidas "devem ser temporárias", até que os países cafeicultores ajustem a aplicação do glifosato.

Muitos países baniram ou procuram proibir o uso de glifosato, usado no herbicida Roundup. A Bayer, que gastou US$ 63 bilhões na compra da Monsanto, que fabrica o produto, agora enfrenta potenciais indenizações de bilhões de dólares sob a alegação de que o herbicida causa câncer.

"Monitoramos ativamente resíduos químicos, que incluem o glifosato, no café verde que compramos", disse a Nestlé, com sede na Suíça, em comunicado. "Esse programa de monitoramento mostrou que, em alguns lotes de café verde, os níveis de resíduos químicos estavam próximos dos limites definidos pelas regulamentações. Estamos reforçando nossos controles, trabalhando com fornecedores para garantir que nosso café verde continue atendendo às regulamentações em todo o mundo."

As novas medidas têm potencial de complicar os fluxos globais do comércio de café. O requisito de teste adicional é principalmente para grãos enviados para torrefadoras na Europa, Austrália e Malásia, onde os limites legais para o glifosato são mais rígidos do que na maioria de outros países. O memorando para o Brasil foi direcionado a fornecedores de café robusta, ou conilon, como é chamado no mercado local.

O café brasileiro já enfrenta restrições de compradores que precisam atender aos limites europeus de glifosato, disse Edimilson Calegari, gerente-geral da Cooabriel, a maior cooperativa de café robusta do Brasil. "Estamos trabalhando com nossos associados para reduzir o uso e atender aos requisitos europeus, que são muito mais rigorosos do que na maioria de outros países, incluindo os EUA."

A Nestlé disse que trabalha com cafeicultores para reduzir a necessidade do uso de glifosato. "Nossos agrônomos continuarão trabalhando com os cafeicultores para ajudá-los a melhorar suas práticas para lidar com ervas daninhas, incluindo o uso apropriado de herbicidas e a adoção de outros métodos de remoção de ervas daninhas."

Para contatar a editora responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Repórteres da matéria original: Isis Almeida em Londres, ialmeida3@bloomberg.net;Fabiana Batista em Sao Paulo, fbatista6@bloomberg.net

Economia