IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Protestos reacendem risco político na América Latina

20.out.2019 - Soldados patrulham ruas no Chile durante protestos - Pablo Hidalgo/AFP
20.out.2019 - Soldados patrulham ruas no Chile durante protestos Imagem: Pablo Hidalgo/AFP

Juan Pablo Spinetto

21/10/2019 19h00

(Bloomberg) — A América Latina, tradicional garota-propaganda para o risco político nos mercados financeiros, está de volta como fonte de preocupação para os investidores.

O presidente chileno, Sebastian Pinera, tornou-se no sábado o segundo líder este mês a declarar estado de emergência após violentos protestos no país mais rico da América do Sul depois do aumento nos custos de transporte. No Equador, a agitação explodiu depois que o presidente Lenin Moreno pôs fim aos subsídios aos combustíveis.

Enquanto isso, a Argentina está de volta ao controle de capitais depois que os eleitores se revoltaram contra a agenda de corte orçamentário do presidente Mauricio Macri e deram a seus oponentes uma liderança dominante antes das eleições presidenciais de 27 de outubro.

O resultado é que os latino-americanos estão novamente rejeitando a austeridade desejada por investidores e apreciada pelo Fundo Monetário Internacional, argumentando que ela pouco faz para reduzir a desigualdade de renda ou melhorar os serviços sociais.

Isso faz com que os líderes precisem cortar ainda mais sabendo que isso provavelmente provocará revolta política ou mesmo sua saída. Embora a austeridade tenha história na América do Sul, inclusive à força sob governos militares na década de 1970, o boom das commodities que começou por volta de 2000 abriu uma margem de gastos que agora se evaporava novamente.

"Os investidores entusiasmados com a virada para a direita na região estavam subestimando os desafios", disse Daniel Kerner, diretor do Grupo Eurasia para a América Latina. "Os presidentes ficam presos entre a necessidade de ajustes e sua incapacidade de implementá-los."

Esse dilema familiar para os líderes da região é aguçado pelo final de um boom das commodities, desaceleração do crescimento e aumento da dívida pública, que saltou na América do Sul para cerca de 78% do Produto Interno Bruto este ano, ante 51% há uma década, segundo dados do FMI.

Os investidores já estão precificando o retorno do risco político. Embora cada país tenha pontos de inflamação específicos, o resultado provável em cada caso está corroendo o apoio do governo a uma agenda pró-mercado e menos resistência para controlar os gastos.

O Chile, onde uma crescente diferença de riqueza deixou muitos cidadãos lutando para sobreviver, pode ser o caso mais chocante. O recuo de Pinera no sábado não conseguiu parar imediatamente os saques e tumultos, o que levou ao primeiro estado de emergência desde que o general Augusto Pinochet era ditador.

"Reformar a economia é difícil - você pode vencer a discussão e perder as eleições", disse o ministro das Finanças do Chile, Felipe Larrain, em Washington, pouco antes de a violência irromper em seu país no fim de semana.

Na Argentina, Macri está sob pressão depois de ser vencido nas primárias em 11 de agosto. Isso foi suficiente para desencadear uma queda histórica dos mercados, levando o governo a retomar os controles de capital e alongar unilateralmente os vencimentos das dívidas.

O candidato presidencial Alberto Fernández prometeu alívio, sugerindo que a Argentina pode tomar uma nova direção populista que poderia relaxar as reformas econômicas e levar o país a renegociar sua dívida.

Sua companheira de chapa, Christina Fernandez de Kirchner, é portadora do legado de Juan Peron e supervisionou o que se tornou uma economia fechada durante seus dois mandatos.

'Combater as desigualdades'

As tensões da América Latina ocorreram quando os chefes de finanças concluíam as reuniões anuais do FMI e do Banco Mundial em Washington no fim de semana.

"Há uma sensação clara de que é importante garantir algum tipo de desenvolvimento econômico que também lide com as desigualdades, que podem se amplificar em um momento de desaceleração global e incertezas comerciais", disse o ministro das Finanças do México, Arturo Herrera, durante as reuniões.

Estima-se que o crescimento na América Latina e no Caribe desacelere para 0,2% este ano, ante uma média de 0,6% nos cinco anos anteriores, de acordo com dados do FMI.

Apesar de todos os choques do mercado, a América Latina tem um histórico de inquietação explosiva quando os preços de serviços e produtos essenciais sobem. Estes são frequentemente subsidiados e sujeitos a distorções.

Em 2013, um aumento da tarifa de ônibus em São Paulo e no Rio de Janeiro desencadeou os maiores protestos do Brasil em mais de duas décadas e abalou a política da maior economia da região. No ano passado, caminhoneiros entraram em greve após aumentos nos preços do diesel.

"Existe uma percepção generalizada na região de que a qualidade dos serviços públicos é inadequada", disse o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita. "A raiz dos protestos está nessa insatisfação, que pode desencadear intensas consequências sociais."

Outros desafios à autoridade dos governos não estão ajudando.

A luta do México para exercer o controle estatal estava em foco na semana passada, quando o governo do presidente Andrés Manuel Lopez Obrador ordenou a libertação do filho do traficante Joaquin "El Chapo" Guzman depois que os membros do cartel dominaram as forças mexicanas. Na Venezuela, mais de 4 milhões de pessoas fugiram da fome, repressão política e de uma economia disfuncional sob Nicolas Maduro.

Tudo isso sugere uma série de fatores de risco sem soluções rápidas.

"Em quase toda a América do Sul, temos governos impopulares com problemas fiscais que enfrentam eleitores revoltados, cansados de corrupção, maus serviços públicos e falta de dinamismo econômico", disse Kerner, da Eurasia.

— Com a colaboração de Mario Sergio Lima.

Economia