Topo

Nike quer reinventar mocassim com aposta em calçados práticos

Eben Novy-Williams

21/11/2019 09h54

(Bloomberg) — Odeia amarrar o cadarço? A Nike continua determinada a evitar a chateação.

Depois de anunciar um calçado "high tech" com cadarço automático em janeiro, a gigante de artigos esportivos decidiu investir em uma fabricante de calçados que dispensam as mãos na hora de calçá-los - essencialmente mocassins, que entram e saem sem muita dificuldade.

A Nike comprou uma participação - cuja porcentagem não foi revelada - na Handsfree Labs, com sede em Utah. A empresa é popular entre consumidores que preferem calçados sem cadarço e pessoas com deficiência, que têm dificuldade para amarrá-los. Os termos do acordo não foram divulgados.

Os calçados são promovidos como os primeiros que podem ser calçados sem o uso das mãos. Talvez seja uma afirmação exagerada, considerando a existência de chinelos, sandálias e mocassins, mas o produto da Handsfree possui cadarço como adorno e promete ser especialmente fácil de calçar.

A Nike não é a única a explorar o mercado de roupas adaptadas - vestuário que facilita o uso por pessoas com deficiência. A Tommy Hilfiger lançou uma linha de roupas adaptadas há dois anos.

Tom Clarke, presidente de inovação da Nike, disse em comunicado que a tecnologia da Handsfree "tem potencial de ampliar e aprimorar esse esforço, removendo barreiras para o jogo e tornando o esporte mais fácil para mais pessoas".

Em 2015, a Nike lançou a FlyEase, uma coleção de calçados que usam zíperes, velcro e outros elementos de fixação no lugar dos cadarços. O mais novo modelo FlyEase foi exibido este mês, uma chuteira para o jogador de futebol americano Shaquem Griffin, do Seattle Seahawks, cuja mão esquerda foi amputada quando criança.

Em janeiro, a Nike lançou um tênis de basquete com cadarço automático, vendido a partir de US$ 350. Os modelos com cadarço automático, que são conectados ao aplicativo da Nike e requerem recarga, são mais uma mostra das proezas tecnológicas da Nike do que uma solução prática para quem possa precisar do recurso.

Economia