PUBLICIDADE
IPCA
1,15 Dez.2019
Topo

Índia quer prever produção de alimentos até 2099

Atul Prakash

05/12/2019 12h45

(Bloomberg) -- A mudança climática deixou o governo da Índia tão ansioso sobre a segurança alimentar que os políticos agora tentam prever a produção agrícola do país até 2099.

O aquecimento global é um fator no aumento do número de eventos climáticos extremos na Índia, e estudos de simulação mostraram que a produtividade do trigo no país pode cair entre 6% e 25% no final do século, disse o ministro da Agricultura, Narendra Singh Tomar, em resposta escrita ao parlamento.

Os padrões climáticos instáveis também reduzirão a produção da maioria das outras culturas, como milho e arroz, disse o ministro. O grão-de-bico é exceção, com alta estimada de 54% da produção, afirmou.

A Índia, o segundo país mais populoso do mundo, já enfrenta o impacto das mudanças climáticas. As monções deste ano, que tipicamente umedecem mais da metade da área total do país, causaram inundações e chuvas fracas ao mesmo tempo. O volume de chuvas ficou acima do normal em 12 dos 36 estados, enquanto em quatro estados as chuvas foram insuficientes.

O país do sul da Ásia terá cerca de 1,4 bilhão de pessoas para alimentar até 2100, segundo as Nações Unidas. Embora a produção de grãos tenha quintuplicado desde 1950-51, 14,5% da população ainda sofre de desnutrição. A Índia é quase a lanterninha no ranking do Índice Global da Fome, de acordo com dados da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO).

S. Mahendra Dev, diretor do Instituto de Pesquisa Indira Gandhi, é cético em relação às previsões de longo prazo do país.

"É possível prever a produção pelos próximos 20 a 30 anos, mas, além disso, é muito difícil", disse Dev. "Com a mudança climática, a tecnologia também está mudando. A água para irrigação é um problema, mas a agricultura também está se adaptando e soluções estão chegando para o uso criterioso da água para irrigação."

--Com a colaboração de Shruti Srivastava.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Economia