PUBLICIDADE
IPCA
0,21 Jan.2020
Topo

Mulheres romperam teto de vidro ESG e homens já perceberam

Alastair Marsh

24/01/2020 13h55

(Bloomberg) -- Era a típica composição de palestrantes em uma conferência financeira sobre fazer investimentos inteligentes. Todos eram do mesmo gênero.

Neste caso, todas mulheres. Isso provavelmente não surpreendeu, considerando que o evento foi promovido pelos Princípios para Investimento Responsável, apoiados pelas Nações Unidas. Ainda assim, Karine Hirn, sócia-fundadora da East Capital, em Hong Kong, estava admirada. E comemorou no Twitter: "O financiamento climático está finalmente abrindo perspectivas para grandes talentos no, de outra forma, muito desequilibrado mundo das finanças".

Os homens governam esse mundo, exceto em um importante campo: a arena de rápido crescimento do chamado ESG. Há muito investimento entrando, e existem grandes nomes promovendo a ideia de aplicar a sigla em inglês que corresponde a padrões ambientais, sociais e de governança, ao negócio de ganhar dinheiro.

O que significa, claro, que os homens podem tentar entrar nesse nicho.

"A pessoa ESG já foi vista como júnior. Agora, a experiência delas é considerada essencial ", disse Rebecca Chesworth, estrategista sênior de ETF da State Street Global Advisors, onde faz parte de uma equipe que desenvolve estratégias de investimento para promover objetivos ambientais e sociais. "E, agora, muitos homens estão prestando atenção."

Por décadas estagnado, o investimento responsável - também chamado de sustentável ou baseado em valores ou ético - agora está em alta. Os chefes de fundos estão sob pressão de acionistas, clientes, funcionários e ativistas para usar seus recursos para combater as mudanças climáticas ou resolver uma série de outras questões, como diversidade no local de trabalho, direitos LGBTQ ou governança corporativa em remuneração.

A gigante BlackRock anunciou sua mudança na semana passada, quando o fundador Larry Fink disse que iria redirecionar os cerca de US$ 7 trilhões em ativos que a gestora administra para a sustentabilidade ambiental e dedicou sua carta anual para fazer um alerta sobre as mudanças climáticas, dizendo que a evidência do risco "obriga investidores a reavaliar as principais premissas". Por causa disso, Fink disse: "Acredito que estamos em à beira de uma reformulação fundamental das finanças".

Isso elevaria os perfis das equipes de ESG para novos patamares em bancos, gestoras de ativos e empresas de capital aberto, a rara área em finanças na qual o desequilíbrio de gênero em altos cargos não é muito desigual a favor dos homens.

"À medida que os postos financeiros sustentáveis ganham destaque, o mesmo acontece com as muitas mulheres que os ocupam", disse Jane Ambachtsheer, chefe global de sustentabilidade do BNP Paribas Asset Management, em Paris. "É como uma via rápida para levar mulheres a posições mais influentes, já que mais pessoas percebem que conectar o financiamento à economia real é uma questão crítica."

Os dados concretos são limitados, mas, de acordo com o que está disponível e com base em entrevistas com mais de 30 executivos ESG, as mulheres são extraordinariamente bem representadas nas funções de tomada de decisão, incluindo os principais pontos. Eles lideram unidades ESG em empresas como JPMorgan Asset Management, Invesco e Fidelity Investments.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Economia