PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Pacote de US$ 1 trilhão dos EUA reflete urgência de Trump

Justin Sink, Joshua Wingrove, Saleha Mohsin e Jennifer Jacobs

18/03/2020 07h36

(Bloomberg) -- Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos Estados Unidos, tinha uma mensagem ameaçadora para republicanos do Senado reunidos terça-feira em uma sala no edifício Russell: precisamos aprovar uma lei de estímulo contra o vírus ou o país pode enfrentar uma taxa de desemprego de 20%.

A mensagem era muito diferente de uma semana atrás, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, e assessores declararam que a economia era resistente o suficiente para suportar o surto de coronavírus. A mensagem havia mudado, e cabia a Mnuchin informar os republicanos, que estavam espalhados pela câmara para manter o distanciamento social.

Mnuchin disse que as consequências poderiam ser piores do que a crise financeira de 2008, segundo três pessoas a par das observações, e pediu um pacote de mais de US$ 1 trilhão, que incluiria pagamentos diretos a todos os americanos.

Seu tom ecoou a súbita urgência de seu chefe, o presidente Trump, que na segunda-feira pediu que americanos essencialmente suspendessem a vida pública no país: fiquem longe de restaurantes, bares e reuniões com mais de 10 pessoas; deem aulas aos filhos em casa, se for prático, disse.

E o número de US$ 1 trilhão veio do próprio Trump.

Em reunião da Casa Branca na noite de segunda-feira, Trump revisou o plano de Mnuchin, que previa estímulo de US$ 850 bilhões. "Por que não subir para 1 trilhão?", teria dito Trump. Se você quiser algo "grande", que seja grande, observou o presidente, segundo três pessoas a par da reunião, que não quiseram ser identificadas.

Mnuchin elaborou um plano de US$ 1,2 trilhão com uma série de telefonemas a parlamentares que se estenderam da noite de segunda-feira até a manhã de terça-feira.

Alta velocidade

O tamanho da proposta e a velocidade com a qual apareceu surpreenderam alguns senadores. Na Casa Branca, havia a sensação de que havia chegado a hora de uma nova abordagem.

Por quase duas semanas, Trump assistiu a uma desesperada peregrinação à Casa Branca. Executivos de companhias aéreas disseram que os aviões estavam vazios. O diretor-presidente do Wal-Mart, Doug McMillon, disse que as prateleiras dos supermercados estavam vazias devido à onda de pânico. A força-tarefa de coronavírus havia informado o presidente sobre uma série de projeções para a propagação da doença, incluindo uma estimativa de pesquisadores do Imperial College, no Reino Unido, que previam que 2,2 milhões de americanos poderiam morrer se o governo não fizesse nada e o surto não fosse contido.

A mudança de abordagem foi particularmente desorientadora, considerando que apenas alguns dias atrás o presidente havia minimizado o impacto potencial do vírus e disse que os resgates para as indústrias de aviação e de cruzeiro poderiam nem ser necessários.

Um representante da Casa Branca disse que assessores de Trump receberam informações alarmantes de executivos nos últimos dias, como dados de empresas de cartão de crédito, que mostraram queda vertiginosa das compras. Os americanos simplesmente não estão comprando nada, disse a autoridade.

A Casa Branca está ciente de que o Dow Jones Industrial Average, uma referência usada pelo próprio presidente como termômetro de seu governo, está próximo do nível na época da posse de Trump. Os assessores de Trump estão conscientes de que todos os ganhos do mercado acionário sob sua presidência provavelmente desapareceram, mas desistiram de defender a bandeira de campanha da reeleição e estão focados em responder à crescente crise na economia real, segundo a autoridade, segundo a qual a Casa Branca espera aprovar um plano de estímulo pelo Senado até sábado

Um número cada vez maior de economistas acredita que o surto já provocou uma recessão global. O debate não é mais se vai ocorrer, mas sim o tempo e duração da crise.

A autoridade da Casa Branca disse que os assessores de Trump ainda têm esperança de poder evitar uma recessão, pois mesmo que o crescimento recue no segundo trimestre, a economia poderia se recuperar com força no terceiro.

©2020 Bloomberg L.P.