PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Foco da Amazon em itens essenciais provoca pânico entre lojistas

Os prazos de entrega cada vez maiores se somam à confusão sobre como a empresa identifica produtos essenciais - Getty Images
Os prazos de entrega cada vez maiores se somam à confusão sobre como a empresa identifica produtos essenciais Imagem: Getty Images

Spencer Soper

Da Bloomberg

23/03/2020 15h19

Os atrasos na entrega de produtos não essenciais pela Amazon.com se estenderão por pelo menos mais um mês para muitos clientes nos Estados Unidos e na Europa, o que provoca pânico entre comerciantes on-line que dependem da varejista para seus negócios.

Os prazos de entrega cada vez maiores se somam à confusão sobre como a empresa identifica produtos essenciais, uma tarefa que parece ser executada por algoritmos com pouca supervisão humana. Lojistas on-line ficaram alarmados no domingo, quando viram as datas de entrega atrasadas para o final de abril, o que significa que muitos deles perderão mais de um mês de vendas resultantes do surto de coronavírus.

A Amazon tenta lidar com a pandemia de Covid-19 quando os casos aumentam nos EUA, o que obriga o fechamento de fábricas e interfere na logística em todo o país. Os atrasos das remessas se aplicam a uma ampla gama de produtos em várias categorias, como papel de cozinha e giz. Alguns comerciantes da Amazon geram 90% ou mais de suas vendas na plataforma, que domina o varejo on-line nos EUA.

"A Amazon me deixa vender filtros de aquário, mas não bolsas de aspirador e filtros de ar", disse Chad Rubin, que vende vários produtos on-line e também desenvolve software para lojistas on-line por meio de sua empresa Skubana. "Claro, os peixes também são importantes, mas isso é apenas excêntrico. As pessoas precisam de filtros de ar.

Dezenas de milhões de produtos na Amazon vendidos por aproximadamente 250 mil comerciantes não estarão disponíveis para muitos compradores da Amazon até o final de abril, disse Juozas Kaziukenas, fundador da empresa de pesquisa Marketplace Pulse, de Nova York, que monitora o site. "Essa é a maior interrupção pela qual a Amazon já passou e as vendas vão diminuir à medida que clientes decidam comprar em outros lugares, buscando entregas mais rápidas", disse.

"Para atender nossos clientes em necessidade, além de ajudar a garantir a segurança de nossos associados, alteramos nossos processos de logística, transporte, cadeia de suprimentos, compras e vendedores terceirizados para priorizar o estoque e a entrega de itens com maior prioridade para nossos clientes", disse a Amazon em comunicado enviado por e-mail. "Isso fez com que algumas de nossas promessas de entrega demorassem mais do que o habitual."