PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

CEO da Airbus alerta funcionários sobre queima de caixa e cortes

Charlotte Ryan e Siddharth Vikram Philip

27/04/2020 10h51

(Bloomberg) -- O diretor-presidente da Airbus, Guillaume Faury, alertou empregados de que a fabricante de aviões está queimando caixa e precisa cortar custos de forma rápida para se adaptar ao setor aeroespacial radicalmente reduzido.

Companhias aéreas, que tentam sobreviver em meio à crise, não podem aceitar novas aeronaves. Com isso, a Airbus faz malabarismos com cronogramas de entrega e reavalia perspectivas de longo prazo para a indústria aeroespacial, disse Faury à equipe em carta enviada na sexta-feira e vista pela Bloomberg News. Um plano para reduzir a produção em 30% anunciado no início deste mês pode não refletir o pior cenário, disse.

O executivo disse que a empresa tem queimado caixa em uma velocidade sem precedentes, "o que pode ameaçar a própria existência de nossa empresa", escreveu Faury. "Agora, devemos agir com urgência para reduzir a queima de caixa, restaurar nosso equilíbrio financeiro e, finalmente, recuperar o controle de nosso destino."

A Airbus não quis comentar sobre comunicações internas.

A fabricante europeia e sua rival americana Boeing tentam driblar a queda da demanda causada pela pandemia de coronavírus que abalou o setor aeroespacial comercial dominado pelas empresas. A Airbus aumentou a liquidez em 15 bilhões de euros (US$ 16,2 bilhões) para enfrentar a crise, enquanto a Boeing está em negociações para obter ajuda do governo dos EUA. Ambas as empresas se preparam para fazer demissões enquanto procuram medir a profundidade da desaceleração e o ritmo da recuperação.

Implosão da Embraer

No sábado, a Boeing desistiu do projeto de US$ 4,2 bilhões para unir sua divisão de aviões com a Embraer. A empresa de Chicago deve reduzir a produção do Dreamliner pela metade e anunciar cortes da força de trabalho no balanço do primeiro trimestre a ser divulgado na quarta-feira. O CEO da Boeing alertou para uma "nova realidade" enquanto avalia o mercado em rápida transformação.

A Airbus entrou na crise mais saudável, e o colapso do acordo da Embraer com a Boeing reforça a vantagem da empresa europeia no importante mercado de aeronaves de corpo estreito, onde os volumes têm sido muito maiores.

Ainda assim, como no caso das companhias aéreas, a crise representa uma ameaça para as fabricantes de aviões e sua grande cadeia de fornecedores. Aprender a matemática sobre até que ponto fazer cortes determinará a saúde dos fabricantes quando um setor menor emergir das ruínas.

"A indústria da aviação emergirá nesse novo mundo muito mais fraca e vulnerável do que quando entramos", disse Faury.

O executivo disse que a Airbus planeja avaliar a produção mensalmente na tentativa de obter uma visão realista do que provavelmente será uma crise duradoura.

Sash Tusa, analista da Agency Partners, acredita que a fabricante europeia tenha que reduzir a produção em outros 30% para refletir a queda da demanda por aeronaves nos próximos dois a três anos.

©2020 Bloomberg L.P.