PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Guedes contra-ataca para manter controle sobre orçamento

Ministro Paulo Guedes, da Economia - Minaseenergia/Flickr
Ministro Paulo Guedes, da Economia Imagem: Minaseenergia/Flickr

Simone Iglesias e Martha Beck

28/04/2020 14h37

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu reformular o programa Pró-Brasil e ajustá-lo à visão do ministro da Economia, Paulo Guedes, disseram quatro pessoas com conhecimento sobre o assunto.

O programa, chamado informalmente de 'Plano Marshall brasileiro', foi elaborado originalmente pela Casa Civil auxílio dos ministérios do Desenvolvimento Regional e de Infraestrutura e tinha como estratégia central aumentar os investimentos públicos em obras para recuperar a economia após da pandemia do novo coronavírus e possivelmente flexibilizar o teto de gastos - duas ações frontalmente contrárias à política econômica proposta por Guedes. O ministro e sua equipe foram deixados de fora da elaboração do plano.

Depois de conversas com o ministro no fim de semana e na segunda-feira de manhã, no entanto, Bolsonaro veio a público dizer que quem manda na Economia é Paulo Guedes. E ficou ao lado do ministro, enquanto ele defendia o teto de gastos - única âncora fiscal que o Brasil ainda possui para mostrar ao mercado financeiro. "Por que mexer no teto se é ele que nos protege de uma tempestade?", questionou Guedes a jornalistas.

Em conversas privadas, o ministro disse ao presidente que desistir da agenda original da equipe econômica - que pretende voltar às reformas, estímulo ao investimento privado e privatizações depois da pandemia - poderia enfraquecer ainda mais a economia até às eleições de 2022, disseram duas pessoas da área econômica, que pediram anonimato porque as discussões não são públicas. Não existe possibilidade de mexer com o teto com o Paulo Guedes à frente da Economia, disse uma das pessoas.

O Pró-Brasil foi elaborado pelo ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, general do Exército que agora está no comando da articulação política com o Congresso, onde os partidos do chamado centrão estão se aproximando de Bolsonaro e pedindo mais dinheiro para obras como saída para estimular a economia.

Os parlamentares defendem essa saída mesmo que isso signifique a saída de Guedes do governo. Dois interlocutores do Ministério da Economia disseram, no entanto, que o ministro vai contra-atacar e que seu estilo é: "No retreat, no surrender" ("sem recuo, sem rendição"). Procurado, o Ministério da Economia preferiu não comentar o assunto.