PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

UE agora tem problemas maiores do que impasse do Brexit

Ian Wishart

27/05/2020 14h58

(Bloomberg) -- Quando Boris Johnson se vangloriava no ano passado de ter concretizado o "Brexit", governos europeus exaustos estavam muito felizes para concordar com o primeiro-ministro britânico. A última coisa que precisam agora é voltar a ter esse tipo de distração.

Países começam a sair do confinamento e a memória do Reino Unido como membro da União Europeia desaparece rapidamente, por isso, a energia política do bloco se concentra em outras coisas. No topo da lista: como enfrentar a pior recessão da história.

De fato, no dia em que o braço executivo da UE divulgou o pacote fiscal sem precedentes anunciando uma integração cada vez maior, uma audiência parlamentar sobre o Brexit em Londres serviu apenas para retomar posições antigas.

Nas 27 capitais da UE, há pouco apetite para resolver as questões mais complicadas que foram contornadas no acordo de saída inicial do Reino Unido.

A equipe de Johnson também está focada no vírus e seu assessor sênior, Dominic Cummings, que personifica o estilo de negociação do tipo "pegar ou largar" do governo, tenta salvar o emprego depois de supostamente violar as regras de isolamento social.

O principal negociador do Reino Unido, David Frost, disse ao Parlamento na quarta-feira que, embora converse com Cummings com frequência, "a política do Brexit é definida pelo primeiro-ministro", então "estou bastante confiante, independentemente do arranjo para os assessores, que continuará".

As negociações sobre a futura relação entre UE e Reino Unido serão retomadas na próxima semana, e nenhum dos lados espera um movimento significativo e os riscos de uma ruptura. Frost disse que as conversas ainda não estão no estágio "onde estamos genuinamente vendo se podemos avançar", embora espere chegar a esse ponto em breve.

Diplomatas europeus encarregados de acompanhar a questão em Bruxelas reclamam que têm dificuldade em envolver seus governos no Brexit. Autoridades da UE que precisam se relacionar com políticos às vezes encontram apenas uma resposta tímida. Está muito longe daqueles momentos de montanha russa em 2017 e 2018, quando o Brexit parecia ofuscar tudo e ameaçou causar uma crise existencial.

©2020 Bloomberg L.P.

Economia