PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Macron é curinga em tentativa de acordo de Reino Unido com UE

Ian Wishart

11/08/2020 13h28

(Bloomberg) -- Cada vez mais, parece que Emmanuel Macron tem a chave para determinar se o Reino Unido e a União Europeia conseguirão fechar um acordo comercial.

Autoridades de ambos os lados das negociações veem o presidente francês como o curinga que pode arruinar um acordo no último minuto se achar que há mais a ganhar ao recusar um compromisso.

Com a eleição presidencial na França a menos de dois anos e seus índices de aprovação em queda em meio à economia duramente atingida pelo coronavírus, autoridades dizem temer que Macron queira ganhar votos ao fazer frente aos britânicos. Outra rodada de negociações terá início em Bruxelas na próxima semana, e ambas as partes esperam chegar a um acordo no início de outubro.

Embora negociadores do Reino Unido e da UE avancem lentamente rumo a um acordo, Macron e os outros líderes do bloco de 27 países mal prestaram atenção ao Brexit desde que as negociações sobre a futura relação entre os dois lados começou em março. Isso deve mudar ao longo do ano, quando terão que aprovar ou rejeitar um acordo.

Pescar votos

O que preocupa autoridades é que o maior obstáculo nas negociações é algo que tem significado relevante entre eleitores da classe trabalhadora francesa, que Macron mais precisa atrair: a pesca. Igualmente, a campanha bem-sucedida do primeiro-ministro britânico Boris Johnson para o Brexit incluiu a promessa de cuidar dos interesses do setor de pesca do Reino Unido.

"A UE continua a insistir no acesso às águas de pesca do Reino Unido de uma forma que é incompatível com nosso futuro status como estado costeiro independente", disse uma autoridade do governo do Reino Unido, que falou sob condição de anonimato. A pessoa não quis comentar sobre o papel de Macron nas negociações.

Sem um acordo sobre pesca, o pacto comercial geral pode não sair, o que significa que os dois lados começariam a negociar nos termos da Organização Mundial do Comércio com tarifas e cotas e com o colapso das relações em áreas que vão desde cooperação policial até padrões ambientais.

Quatro pessoas a par das negociações Reino Unido-UE, duas de cada lado, disseram que a incerteza sobre o que Macron pode fazer é mais do que uma preocupação passageira e que a questão foi discutida por autoridades britânicas e informalmente entre diplomatas da UE. Um descreveu a situação como a tempestade perfeita de um presidente francês ansioso para ganhar apoio eleitoral, um primeiro-ministro britânico que pode se contentar com "nenhum acordo" e uma questão que é altamente simbólica para ambos os países.

Qualquer acordo "não pode levar à destruição parcial da indústria pesqueira da UE", disse o negociador-chefe do bloco, Michel Barnier, após a última rodada de negociações em Londres no mês passado. Ele acrescentou que era necessário proteger "os interesses de todos os estados membros", obtendo uma "solução de longo prazo" para a pesca.

Um representante do Palácio do Eliseu não quis comentar, a não ser para dizer que Macron apoia totalmente Barnier e seu mandato de negociação.

©2020 Bloomberg L.P.