PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Americanos buscam empreendedorismo c/ emprego afetado pela Covid

Michael Sasso

12/08/2020 19h32

(Bloomberg) -- A quantidade de pessoas que se inscrevem nos EUA para os Números de Identificação de Emprego, que as novas empresas registram no Internal Revenue Service - um serviço de receita do governo federal -, dobrou nas últimas semanas em relação aos níveis do ano anterior e ultrapassou a taxa observada durante a Grande Recessão. A maioria dessas empresas tem apenas uma pessoa como proprietária, embora os economistas tenham notado um aumento nos pedidos de empresas com probabilidade de contratar funcionários.

Entre os novos empreendedores está Angie Bledsoe, uma profissional de análise digital de 43 anos de Kansas City, Missouri, que ganhava perto de US$ 150.000 por ano até perder o emprego durante pandemia. Ela esperava retornar ao seu antigo posto de trabalho quando a economia se recuperasse, mas começou ligar para seus contatos em busca de outras oportunidades de emprego quando percebeu que sua expectativa inicial parecia improvável.

Eventualmente, a pandemia a levou a reavaliar as coisas. E ela pensou: Por que não abrir sua própria empresa de marketing digital e passar mais tempo em casa com os filhos?

"Depois de explorar tudo isso, concluí: 'Realmente eu tenho essa atração pelo empreendedorismo e talvez esta seja a oportunidade de que preciso para fazer isso'", disse Bledsoe.

As recessões costumam mostrar um aumento no número de pessoas que iniciam seus próprios empreendimentos à medida que os empregos evaporam, disse John Haltiwanger, professor de economia da Universidade de Maryland que estuda formações de negócios. Isso acontece ao mesmo tempo em que as empresas existentes estão indo à falência ou fechando silenciosamente - na crise da pandemia, milhares de pequenos negócios já desapareceram em todo o país.

No entanto, o ritmo com que as pessoas estão entrando com o pedido de Números de Identificação de Emprego durante o atual choque econômico tem sido particularmente rápido, disse Haltiwanger. Os economistas procuram pistas nos formulários que possam indicar se a pessoa provavelmente é o único proprietário ou um empregador com folha de pagamento.

Os pedidos de autônomos caíram inicialmente por algumas semanas a partir de março, conforme os estados fechavam suas economias, mas se recuperaram e agora aumentaram 16% nas primeiras 31 semanas de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado. Os registros semanais dispararam particularmente no último mês, entre 87% e 142% a cada semana em comparação com o ano anterior, de acordo com o U. S. Census Bureau, que coleta e publica os números do Internal Revenue Service.

Huiyu Li, economista sênior do Federal Reserve de São Francisco, disse que os registros de empresas não empregadoras cresceram fortemente nos últimos anos, de modo que o recente surto de crescimento é menos surpreendente nesse contexto. No entanto, o aumento nas últimas semanas "tem sido extraordinário", disse ela.

É possível que alguns estejam entrando no Internal Revenue Service para reivindicar benefícios no âmbito do programa federal de Assistência ao Desemprego Pandêmico, que ajuda empreiteiros independentes e outros trabalhadores autônomos. Mas os estados geralmente exigem que as pessoas apresentem renda de 2019 para reivindicar os benefícios.

Se o aumento é apenas uma medida paliativa de curto prazo para ajudar as pessoas em sua busca de emprego ou algo mais permanente, depende de quanto tempo o desemprego continuará alto, disse Keith Hall, chefe executivo da Associação Nacional de Trabalhadores Autônomos. Quanto mais rápida a recuperação, maior a probabilidade de as pessoas procurarem trabalho com um empregador, disse ele.

Nos subúrbios ao norte de Atlanta, a profissional de relações públicas Kelly Gray cansou de ser uma das primeiras a perder o emprego quando a economia piora. Recentemente ela perdeu o posto em uma grande empresa de recursos humanos, o que ocorreu pela terceira vez em 25 anos durante uma crise econômica. Gray aceitou um cargo de meio expediente junto a um fabricante local, mas está abrindo caminho, ao mesmo tempo, para criar sua própria empresa de marketing e comunicação.

"Somos sempre dispensáveis", disse Gray, 45 anos. "Eu só não queria que meu futuro financeiro ficasse nas mãos de um empregador."

©2020 Bloomberg L.P.