Inflação, Ucrânia e Mar Vermelho: como nova crise agrava cenário econômico

Muitas das crises econômicas mundiais dos últimos anos estão conectadas a cadeias de abastecimento. Os confinamentos pandêmicos, a guerra na Ucrânia e o aumento geral da inflação global tiveram impacto ou foram afetados pelo fluxo do comércio global e pelas inúmeras partes em movimento que mantêm tudo em funcionamento.

Agora, uma nova ameaça às cadeias de abastecimento globais emerge no Mar Vermelho. As maiores empresas de transporte de contêineres do mundo têm interrompido seus serviços na área devido ao número crescente de ataques a navios pelos rebeldes houthi apoiados pelo Irã, que operam a partir do Iêmen.

Qualquer esperança de uma trégua de Ano Novo foi destruída em 1º de janeiro, quando o Irã enviou um navio de guerra ao Mar Vermelho depois que a Marinha dos EUA destruiu três barcos houthi no local um dia antes.

Os EUA dizem que afundaram os três barcos "em legítima defesa" depois que navios houthi dispararam contra um navio porta-contêineres Maersk e depois tentaram abordar a embarcação antes de os EUA atacarem. A chegada do navio de guerra iraniano é um sinal de potencial escalada numa crise com grandes implicações potenciais para a economia global.

Os preços do petróleo subiram mais de 2% nesta terça-feira (02/01), o primeiro dia de negociação após os ataques.

O que está acontecendo?

Os rebeldes houthi têm atacado navios no Mar Vermelho desde novembro, alegando que estão agindo em solidariedade com o povo da Faixa de Gaza em meio ao bombardeio israelense no enclave.

Os ataques ocorrem perto do estreito de Bab al-Mandab, entre a África e a Península Arábica. É uma via navegável crítica no comércio global, através da qual circula diariamente pouco menos de um terço de todos os navios porta-contêineres globais.

Embora os houthis aleguem ter como alvo navios ligados a Israel, eles lançaram mais de 100 ataques de drones e mísseis contra todos os tipos de navios que navegavam na rota desde novembro. O navio da Maersk atacado em 31 de dezembro está registrado em Cingapura e é operado por uma empresa dinamarquesa.

Continua após a publicidade

Os houthis são um grupo rebelde islâmico xiita que controlou grandes partes do oeste do Iêmen durante a maior parte da última década. Fortemente apoiados pelo Irã, têm tentado derrubar o governo do Iêmen na guerra civil em curso no país.

Em resposta aos ataques, que aumentaram acentuadamente em intensidade e volume desde meados de dezembro, os EUA criaram uma força-tarefa naval que inclui o Reino Unido, a França e outros países da Otan, assim como aliados regionais, como o Bahrein. Conhecida como Operation Prosperity Guardian (Operação Guardião da Prosperidade), seu objetivo declarado é proteger o transporte marítimo na área.

Importância da rota comercial

O Canal de Suez está localizado na ponta norte do Mar Vermelho e conecta a hidrovia ao Mar Mediterrâneo. Isso faz com que seja de longe a rota naval mais curta entre a Europa e a Ásia. Cerca de 12% de todo o comércio marítimo global em volume viaja através dela. É um ponto de trânsito de energia especialmente importante, com cerca de nove milhões de barris de petróleo passando pelo canal todos os dias.

A tensa situação de segurança levou empresas como a Maersk, CMA CGM, Hapag-Lloyd e MSC a interromperem periodicamente as operações na área nas últimas semanas, causando atrasos e aumentando custos.

A Hapag-Lloyd está atualmente redirecionando seus navios através do Cabo da Boa Esperança, no extremo sul da África do Sul. A empresa diz que fará isso pelo menos até 9 de janeiro. Um porta-voz da Maersk disse na terça-feira que a companhia estava atualmente decidindo se vai ou não interromper indefinidamente os seus transportes no Mar Vermelho após os ataques e usar a rota da África do Sul.

Continua após a publicidade

A rota alternativa para navios que viajam da Ásia para a Europa ao largo do Cabo da Boa Esperança acrescenta cerca de 3.500 milhas náuticas (6.482 quilômetros) para um navio que viaja para a Europa a partir de Cingapura.

Tomar essa opção gera contas de combustível mais elevadas para os transportadores, enquanto os custos dos prêmios de seguro também aumentaram em resposta à crise.

Consequências econômicas globais

Os riscos que uma escalada de conflito para a economia global são significativos. Se a situação se deteriorar ainda mais, os custos de envio de cargas continuarão a subir à medida que mais e mais transportadoras optarem pela opção do Cabo da Boa Esperança. O preço do petróleo provavelmente aumentaria e a frágil recuperação da inflação elevada ficaria ameaçada.

Outro risco de escalada devido ao envolvimento direto do Irã é se o transporte marítimo no Mar da Arábia, ao sul da Arábia Saudita e a oeste da Índia, também for considerado em risco de ataques. Cerca de um terço do petróleo mundial passa por essas águas.

Além disso, há o risco de atrasos no envio. Quando o navio porta-contêineres Ever Given encalhou e bloqueou o Canal de Suez durante seis dias, no meio da pandemia de covid-19, em 2021, acrescentou mais atrasos a um já fragilizado sistema de comércio global.

Continua após a publicidade

As companhias de navegação ainda têm esperança de que a força-tarefa naval restaure rapidamente a ordem e consiga impedir mais ataques. Há também alguma confiança de que as cadeias de abastecimento globais estejam mais robustas do que na época da pandemia.

"Neste momento, temos um excesso de capacidade de navios porta-contêineres. Por isso, no pior dos casos, se tivermos de continuar contornando a África durante algum tempo, temos os navios porta-contêineres para fazê-lo", disse à DW no mês passado Lars Jenson, CEO da Vespucci Maritime, uma consultoria do setor marítimo com sede na Dinamarca.

No entanto, os comerciantes globais dizem que o grande risco é se a crise continuar a piorar e forçar os navios a tomarem a rota mais longa durante muito tempo. Isso também provavelmente significaria um potencial alargamento do próprio conflito no Médio Oriente - um presságio sombrio para a economia global em 2024.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes