Bolsas

Câmbio

Governo socialista português enfrenta primeira greve na administração

Lisboa, 29 jan (EFE).- O governo de Portugal, de cunho socialista, enfrenta nesta sexta-feira sua primeira greve na administração central, convocada para exigir a reposição imediata das 35 horas semanais.

A greve é respaldada pela Confederação Geral de Trabalhadores de Portugal (CGTP, de tendência comunista), o maior sindicato do país, mas não pelo segundo, o socialista UGT.

As primeiras consequências desta mobilização já começaram a ser percebidas de madrugada, especialmente em hospitais e centros de saúde, onde os sindicatos de enfermeiros informaram de uma adesão superior a 70% em diferentes pontos do país.

Os socialistas, que chegaram ao poder dois meses graças a um acordo inédito com as demais forças de esquerda, já anunciaram estar dispostos a baixar de 40 para 35 o horário semanal dos funcionários.

Esta medida, de fato, já foi aprovada por uma maioria da câmara de forma geral, mas está ainda em discussão para ultimar os detalhes.

O principal motivo da polêmica é a entrada em vigor da medida, já que o novo Executivo propõe fazê-lo no verão, enquanto os sindicatos exigem sua iniciada no prazo mais breve possível.

A ampliação para 40 horas semanais na função pública foi aprovada em setembro de 2013 pelo governo anterior, liderado pelo conservador Pedro Passos Coelho, e se inscrevia dentro da política de ajustes implementada por causa da crise e do resgate financeiro ao qual Portugal teve acesso.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos