Comércio mundial crescerá 2,8% em 2016, projeta OMC

Genebra, 7 abr (EFE).- A Organização Mundial do Comércio (OMC) previu nesta quinta-feira que o comércio internacional crescerá "a um ritmo lento" em 2016, de 2,8% e idêntico ao registrado em 2015, ano no qual a América do Sul registrou a pior evolução em termos de importações em nível global.

Esta última situação foi fruto da redução da demanda no Brasil, "pela profunda recessão que o país vive", indicaram os analistas da organização que estabele as regras que regulam o comércio mundial e supervisiona seu cumprimento.

A contribuição da América Central e América do Sul ao crescimento do volume de exportações foi mínima, enquanto foi negativa quanto a importações.

Ao avaliar a situação do Brasil, "um dos indicadores mais claros é a contração das importações, que diminuíram muito e isto não é uma surpresa frente à situação econômica", disse o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, em uma coletiva de imprensa.

O impacto do que ocorre no Brasil sobre o resto da região é evidente já que o país representa 25% das importações da América Latina.

Para 2017, a organização prevê que o comércio mundial aumentará a uma taxa de 3,6%, o que seguirá abaixo da média de 5% que era registrada desde o início dos anos 90.

De acordo com a avaliação da OMC, o Produto Interno Bruto (PIB) do conjunto das economias desenvolvidas apresenta uma tendência de baixa, o contrário ao que era esperado nas economias em desenvolvimento.

Avaliados por nível de desenvolvimento econômico, as importações dos países desenvolvidos deveriam se contrair em 2016, enquanto a demanda de produtos importados nos países em desenvolvimento, concretamente da Ásia, deveria progredir.

A Ásia contribuiu mais do que qualquer outra região à recuperação do comércio mundial desde a crise financeira de 2008-2009, mas sua influência foi decrescendo conforme seu ritmo de crescimento foi diminuindo.

Os economistas da OMC admitiram hoje que todas estas previsões dependem de fatores que definirão a saúde da economia mundial nos próximos meses.

Entre os riscos mencionados constam a desaceleração da economia chinesa mais crítica do que esperado, a piora da volatilidade dos mercados financeiros e que os países com uma grande dívida externa tenham que fazer frente a movimentos bruscos das taxas de câmbio.

Frente a essas ameaças, existe a esperança de que a ajuda monetária do Banco Centra Europeu consiga acelerar o crescimento na zona do euro.

A Europa voltou a contribuir em 2015 de forma "positiva e notável" com o crescimento do comércio, com 1,5%, no aumento mundial de 2,6%.

Segundo as estatísticas apresentadas pela OMC, grande parte da importância recuperada pela Europa se deve à recuperação gradual do comércio interno na União Europeia nos dois últimos anos.

Estima-se que neste período foram se dissipando os lastros da dívida soberana comunitária.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos