Bolsas

Câmbio

Bolívia e Brasil fecham parceria de US$ 1,2 bilhão para exploração de gás

La Paz, 7 nov (EFE).- A Petrobras assinou nesta segunda-feira um acordo com a companhia estatal boliviana YPFB para realizar novas explorações de gás com um investimento de US$ 1,2 bilhão.

O contrato foi assinado em um ato realizado na cidade de Santa Cruz, que contou com a presença do presidente do país, Evo Morales, e o ministro de Minas e Energia do Brasil, Fernando Bezerra Coelho, primeira autoridade do governo de Michel Temer a visitar a Bolívia depois do impeachment que afastou a Dilma Rouseff do poder.

"Os investimentos de empresas como a Petrobras e a Eletrobrás estão garantidas pela Constituição e pelos acordos assinados e ratificados", disse Morales durante a cerimônia de assinatura.

O contrato permitirá que a Petrobras e a empresa boliviana Chaco, filial da Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), explorem os campos de San Telmo y Astillero, que podem ter resultados concretos entre 2022 e 2023.

O documento foi assinado pelo presidente do YPFB, Guillermo Acha, pelo gerente-geral da Chaco, Oscar Claros, e pelo diretor da Petrobras na Bolívia, Marcos Benício Pompa Antunes.

Morales enfatizou a posição de respeito aos contratos ao ministro de Minas e Energia, após citar e justificar a nacionalização de uma empresa de refino da Petrobras em 2006, pela qual a Bolívia pagou uma indenização. O presidente pediu que os dois países sigam trabalhando para dar continuidade aos projetos que avançaram nos governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma.

Em particular, Morales pediu a Bezerra para levar a Temer uma mensagem sobre o projeto agora encampado por Bolívia e Peru para construir uma ferrovia que unirá os dois países ao Brasil, criando uma conexão entre portos do Oceano Atlântico e do Pacífico.

"Como vizinhos, Bolívia e Brasil são obrigados a trabalhar respeitando as diferenças ideológicas. Aqui também é um direito ser pró-capitalismo ou pró-imperialismo, ou anti-imperialista ou anticapitalista. As pessoas é quem decidirão", disse Morales.

O presidente da Bolívia foi um dos mais duros críticos no exterior do processo de impeachment contra Dilma Rouseff, chegando a afirmar que queda da ex-presidente foi um "golpe do Congresso".

Além do contrato com a Petrobras, os dois governos assinaram um acordo para elaborar um projeto hidrelétrico no Rio Madeira, compartilhado pelos países na bacia do Amazonas.

O presidente da Empresa Nacional de Eletricidad da Bolívia, Eduardo Paz, assinou um acordo com o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira, e o representante do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) na Bolívia, Emilio Uquillas, entidade que financiará o estudo.

Bezerra avaliou os acordos firmados hoje como um "passe importante" na relação bilateral e na integração energética de ambos os países. O ministro disse que o governo de Temer está realizando mudanças no Brasil com base na transparência, competitividade, racionalidade e segurança jurídica.

Por isso, disse Bezerra, o governo apoia o crescimento da Petrobras e da Eletrobrás. No caso da Bolívia, as duas companhias estão avançando em convênios para obter resultados concretos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos