Bolsas

Câmbio

Governo britânico admite que não avaliou impacto econômico do "Brexit"

Londres, 6 dez (EFE).- O governo britânico não realizou uma avaliação formal sobre o impacto que a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) terá na economia do país, admitiu nesta quarta-feira o ministro para o "Brexit", David Davis.

Durante uma sabatina perante o comitê do "Brexit" da Câmara dos Comuns, Davis disse que "não há uma avaliação sistemática do impacto", embora o governo tenha elaborado "análises por setores", mas não uma "previsão" sobre o que possa ocorrer uma vez que o Reino Unido se retire do bloco europeu em março de 2019.

A presidente desse comitê, a trabalhista Hilary Benn, lhe perguntou se o governo tinha ordenado uma avaliação profunda sobre o impacto do "Brexit" nos diferentes setores da economia, entre eles o automotivo, o aeroespacial e o financeiro.

"Acredito que a resposta será não em todos eles", respondeu o ministro do "Brexit", responsável de negociar com Bruxelas os termos do desligamento britânica da UE.

Davis acrescentou que serão realizados estudos uma vez que o Reino Unido passe à segunda fase das negociações com Bruxelas, que se centrarão na relação comercial entre este país e a UE.

Concretamente, o ministro explicou que os estudos se centrarão em aspectos como um eventual acordo comercial com a UE ou se o país se regerá pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

O governo britânico está concentrado nesta semana em salvar o acordo do "Brexit" e poder passar à segunda fase.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, esteve a ponto de assinar um acordo com Bruxelas na segunda-feira, mas foi impedida por seus aliados do Partido Democrático Unionista (DUP), que se opunham a certos termos relacionados com a fronteira irlandesa.

May precisa do apoio dos dez deputados do DUP para governar após perder a maioria nas eleições do último mês de junho.

A primeira fase das negociações está centrada na situação legal dos cidadãos comunitários que vivem no Reino Unido e dos britânicos que residem na UE, na conta que Londres deverá pagar pela sua retirada e na situação da fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos