Bolsas

Câmbio

Califórnia abre caminho para o negócio da maconha recreativa

Luis Uribe.

Los Angeles, 31 dez (EFE).- Estado mais populoso dos Estados Unidos, a Califórnia abre neste dia 1º de janeiro de 2018 seu mercado ao comércio da maconha recreativa, com projeções que indicam um faturamento anual de pelo menos US$ 7 bilhões.

A maior economia de todos os estados do país, e entre as mais poderosas do planeta, se soma assim aos outros territórios americanos onde o consumo e comércio de maconha já é legal, embora sob um regulamento estrito, e faz isso com 60 estabelecimentos que já contam com licenças de funcionamento.

"O Escritório do Tesouro estima que em 2020 teremos US$ 7,2 bilhões em vendas de maconha legal na Califórnia. E US$ 1 bilhão em impostos", afirmou à Agência Efe Elizabeth Ashford, do Grupo Operacional de Cannabis de Los Angeles (LACTF).

Para Ashford, os números "são conservadores". Isso porque, apesar do rápido crescimento em outros estados onde a cannabis também é legal, como Nevada, que gerou mais de US$ 19 milhões em impostos em seus quatro primeiros meses, a Califórnia os superaria prontamente, devido às altas expetativas de compradores.

As vendas legais de maconha nos Estados Unidos e no Canadá alcançaram em 2016 mais de US$ 11,7 bilhões e se espera que cheguem a US$ 23 bilhões nos próximos cinco anos, segundo a empresa de consultoria ArcView, que também prevê benefícios no mercado de trabalho.

"A indústria de cannabis cria trabalhos e diminui o desemprego", assegurou à Efe John Downs, diretor da ArcView, que acrescenta que Colorado, onde a maconha recreativa é legal desde 2014, registra "um desemprego menor desde a legalização" e é "o mais baixo do país".

Os sindicatos também preveem que a legalização da maconha recreativa na Califórnia, aprovada em referendo pelos eleitores nos pleitos de 2016, vai estimular a economia local.

"Será uma nova indústria regulada que vai trazer muitos investimentos, baseados em impostos para o estado", declarou à Efe Rigoberto Valdez, vice-presidente da filial 770 do Sindicato de Trabalhadores da Indústria de Alimentos e do Comércio (UFCW).

A venda começará parcialmente nesta segunda-feira em uma dúzia de condados, entre os que não está o Condado de Los Angeles, o mais populoso do país e que começará a receber solicitações para licenças de distribuição e venda a partir de janeiro.

A autorização de funcionamento não só deve ser aprovada pelas autoridades estatais, mas também pelos municípios.

Os dispensários que já receberam sinal verde para começar a operar a partir de amanhã estão localizados principalmente no norte da Califórnia, muitos na área da Baía de San Francisco, bem como nos condados de Riverside e San Diego, no sul do estado.

No chamado Estado Dourado, onde a maconha com fins medicinais já é legal desde 1996, o imposto estatal à venda será de 15%, ao qual os municípios locais podem acrescentar os próprios.

Nos EUA, além da Califórnia, a venda de maconha para uso recreativo é legal nos estados do Alasca, Colorado, Nevada, Oregon e Washington. Em Maine também é legal possuir uma dose pessoal, embora ainda não se tenha autorizado a venda, o que se espera que se inicie em meados de 2018, enquanto que em Massachusetts será legal a partir de julho desse mesmo ano.

Talvez para aquietar os que se opõem à polémica medida, entre os quais se encontram vários políticos, ligas de pais de família e organizações religiosas, a implementação da medida na Califórnia chega acompanhada de uma série de regulamentos.

Os dispensários não poderão operar dentro de um raio de 180 metros de alguma escola, e em algumas jurisdições está proibida a venda a menos de 305 metros de parques públicos, creches e outras áreas assinaladas como "sensíveis".

Os cultivos em casas não contam com restrição de distância em relação a escolas ou parques, mas fica limitado a seis plantas, e a venda em dispensários só será feita a pessoas maiores de 21 anos e limitada a 28 gramas por cada compra.

Mesmo elaborada como uma estratégia para combater o narcotráfico e o mercado ilegal, que nos EUA chega a US$ 50 bilhões, segundo a ArcView, políticos locais como o vereador de Los Angeles, Gil Cedillo, se mantêm reticentes.

"Ainda tenho grandes dúvidas sobre a legalização da maconha, mas entendo que pode oferecer uma fonte adicional de recursos para a Califórnia e Los Angeles", declarou à Efe o ex-senador.

Seja como for, a Califórnia, que há décadas lidera os esforços nos EUA para legalizar a cannabis, já é parte desse experimento social que é a legalização da maconha.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos