PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Decola de Adis Abeba 1º voo comercial em 20 anos entre Etiópia e Eritréia

18/07/2018 07h49

Adis Abeba, 18 jul (EFE).- O primeiro voo comercial em 20 anos entre Etiópia e Eritréia partiu nesta quarta-feira de Adis Abeba, a capital do primeiro, rumo a Asmara, a principal cidade do segundo, em mais um passo do processo de paz e reconciliação estipulado há pouco mais de uma semana pelos governos dos dois países.

"O pássaro da paz acaba de voar para Asmara!", afirmou em seu perfil do Twitter a companhia aérea etíope Ethiopian Airlines, uma das mais importantes da África, na qual publicou uma foto da decolagem do Boeing 787 que viaja para a Eritréia.

O histórico voo, o primeiro entre os dois países desde 1998, leva a bordo uma delegação formada por 456 pessoas de diferentes âmbitos da sociedade etíope.

Entre os passageiros figuram o ex-primeiro-ministro Hailemariam Desalegn e o patriarca dos ortodoxos etíopes Tewahedo Church, assim como funcionários, jornalistas e diplomatas, informou a rede de televisão "FANA".

A Ethiopian Airlines operará, por enquanto, dois voos diários, um de ida e outro de volta, entre Adis Abeba e Asmara, mas tem planos de estabelecer "muito rapidamente" mais voos por dia.

O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, e o presidente eritreu, Isaias Afewerki, assinaram no dia 9 em Asmara "o fim do estado de guerra" em uma declaração que inclui respeitar as fronteiras estipuladas no Acordo de Argel de 2000, que acabou com o conflito entre os dois países (1998-2000).

A normalização das relações bilaterais inclui a reabertura de embaixadas, o restabelecimento de linhas telefônicas e voos comerciais e o uso conjunto de portos marítimos, entre outros pontos.

A Eritréia reabriu sua embaixada em Adis Abeba na segunda-feira passada e, segundo o Ministério de Relações Exteriores da Etiópia, o país já está preparado para reabrir sua missão diplomática em Asmara.

A Eritréia se separou da Etiópia em 1993, mas as disputas fronteiriças levaram os dois países a uma guerra que deixou milhares de mortos em ambas as partes, e que acabou com o Acordo de Argel assinado em 12 de dezembro de 2000.