PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Bancos suspenderão transações online durante conversão monetária na Venezuela

15/08/2018 17h05

Caracas, 15 ago (EFE).- Clientes de bancos que atuam na Venezuela estão sendo avisados de que as transações eletrônicas e online serão suspensas no país durante o processo de conversão monetária que entra em vigor na próxima segunda-feira, uma medida tomada pelo presidente Nicolás Maduro para cortar cinco zeros do bolívar.

A duração da interrupção varia de acordo com a instituição financeira, mas todas estão utilizando as redes sociais para avisar evitar que os clientes não sejam surpreendidos pela suspensão.

O banco Mercantil explicou que deixará de fazer transferências eletrônicas entre contas, transações com cartões de crédito e débito e outros serviços online das 20h do próximo domingo até às 6h de segunda-feira. O mesmo intervalo será adotado pelo Banesco.

O Bancaribe recomendou aos clientes que não realizem transferências para outros bancos no horário porque a instituição vai estar realizando o processo da conversão monetária.

Além disso, o Bancaribe orientou que pessoas com cheques da instituição em bolívar forte descontem os valores antes da entrada em vigor do bolívar soberano.

Os anúncios contradizem as informações divulgadas pela Associação Bancária da Venezuela, que reúne instituições públicas e privadas que operam no país, que afirma que os serviços eletrônicos seguirão funcionando durante o processo de conversão.

A entidade só informa que as agências não abrirão de entre as próximas sexta e segunda-feira para os clientes.

O presidente da Comissão de Finanças da Assembleia Nacional da Venezuela, o opositor Rafael Guzmán, disse hoje em entrevista coletiva que os bancos farão uma espécie de "blackout financeiro".

Gúzman afirmou que os venezuelanos estão preocupados com a conversão e iniciaram uma corrida às agências diante da falta de informações sobre a mudança.

A Comissão de Finanças da Assembleia Nacional pediu hoje que o governo adie a conversão monetária. Para Guzmán, a medida anunciada pelo governo carece de outros ajustes necessários para combater a inflação no país. Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), o índice fechará o ano em mais de 1.000.000%.

Além disso, o principal sindicato patronal da Venezuela, a Fedecámaras, disse hoje que percebe entre comerciantes e empresários um clima de "grande incerteza" sobre a conversão monetária. Para a entidade, o processo foi feito de forma apressada.