PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Dow Jones fecha em baixa de 1,81% e encerra pior semana em 10 anos

21/12/2018 20h45

Nova York, 21 dez (EFE).- O índice Dow Jones Industrial fechou nesta sexta-feira em baixa de 1,81%, mantendo a sequência negativa iniciada nos últimos dias e que culminou assim em sua pior semana dos últimos 10 anos.

O principal indicador da Bolsa de Nova York perdeu 414,23 pontos e agora acumula 22.445,37. O seletivo S&P 500 caiu 2,06%, para 2.416,58, e o Nasdaq Composite recuou 2,99% e fechou aos 6.333 pontos.

O pregão na Bolsa de Nova York completou hoje seu terceiro dia consecutivo com acentuada queda, e analistas do mercado classificaram a semana de negociações com a pior desde a crise de 2008. O Dow Jones despencou 7% desde a última segunda-feira, assim como o S&P 500. Já o Nasdaq Composite, que desabou 8,2% no mesmo período, entrou no chamado "Bear Market" (tendência de baixa), jargão aplicado para quando ocorre uma queda superior a 20% desde o último nível máximo.

A decisão do Federal Reserve (Fed) de elevar os juros de referência nos EUA e o desacordo entre republicanos e democratas sobre a aprovação do orçamento do governo, que pode sofrer uma paralisação, acentuaram as preocupações dos investidores, que já vinham receosos quanto a uma piora no cenário da economia mundial.

No Dow Jones, apenas três títulos subiram hoje: Nike (7,17%), McDonalds (0,27%) e Coca-Cola (0,06%). A espetacular alta da companhia de roupas e materiais esportivos, especialmente no contexto generalizado de maus resultados, ocorreu um dia depois de ela anunciar que no primeiro semestre de seu ano fiscal de 2018 obteve lucro líquido de US$ 1,939 bilhão, 13% a mais que no mesmo período do ano fiscal anterior.

Já as quedas mais acentuadas do dia foram das ações de Goldman Sachs (-4,96%), American Express (-4,64%), Apple (-3,89%), Visa (-3,61%) e Walgreens Boots (-3,38%).

No horário de fechamento da bolsa, a onça do ouro caía para US$ 1.258,50, e o rendimento dos títulos do tesouro americano com vencimento em 10 anos caía para 2,78%. EFE