PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Dow Jones fecha praticamente estável

17/04/2019 18h37

Nova York, 17 abr (EFE).- O índice Dow Jones Industrial fechou nesta quarta-feira em leve baixa de 0,01%, em um pregão marcado por forte queda nos títulos de empresas do setor de saúde, de 2,89% no total no dia e que chegou a 6,6% em abril.

O principal indicador da bolsa de Nova York perdeu 3,12 pontos e agora tem um total de 26.449,54. O seletivo S&P 500 caiu 0,23%, para 2.900,45, e o índice composto da Nasdaq recuou 0,05% e fechou aos 7.996,08 pontos.

A queda nas ações das empresas do setor de saúde ocorreu um dia após a seguradora UnitedHealth alertar que, se as propostas de políticos do Partido Democrata de seguro médico "para todos" tiverem sucesso, poderiam abalar este ramo de negócios nos Estados Unidos.

Essa pressão política se fez notar entre as gigantes farmacêuticas, cujas estratégias são muito criticadas por alguns dirigentes políticos no país.

No Dow Jones, as ações da Merck sofreram a pior queda, de 4,69%, seguida pelas de Pfizer (-2,54%) e UnitedHealth (-1,86%). As altas mais expressivas foram de Intel (3,26%), Goldman Sachs (3%), JPMorgan Chase (2,88%) e Apple (1,95%).

Se o setor de saúde foi mal na bolsa, o tecnológico (alta conjunta de 0,58%) teve o melhor desempenho no dia, graças em parte a dados econômicos positivos na China e às perspectivas de um acordo comercial entre o gigante asiático e os Estados Unidos. Segundo o "The Wall Street Journal", os dois países devem realizar uma nova rodada de negociações no final de abril, com o objetivo de assinarem um acordo no final de maio ou começo de junho.

Segundo o jornal, que cita uma fonte próxima do processo de negociação, o representante de Comércio Exterior dos EUA, Robert Lighthizer, espera viajar a Pequim por volta de 29 de abril, e o enviado do governo chinês, Liu He, deve ir a Washington na semana seguinte.

No horário de fechamento da bolsa, a onça do ouro caía para US$ 1.276,60, e a rentabilidade dos títulos do tesouro americano com vencimento em 10 anos diminuía para 2,592%. EFE

PUBLICIDADE