PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Mais práticas e seguras, novas notas de 100 e 200 euros começam a circular

Laura Serrano-Conde.

28/05/2019 06h01

Roma, 28 mai (EFE).- Mais funcionais, com cores mais vivas e principalmente mais difíceis de falsificar, assim são as novas notas de 100 e 200 euros que entram em circulação nesta terça-feira encerrando a série "Europa", a segunda impressão de cédulas da União Europeia e que começou em 2013 com as de cinco euros.

"Estas novas notas de 100 e 200 euros se diferenciam em três aspectos: são mais práticas, mais coloridas e mais seguras", declarou à agência de notícias Efe a responsável pela Seção de Combate à Falsificação do Banco Central Europeu (BCE), Paloma Varela, em Roma, na Itália.

As notas de 100 foram impressas na Alemanha, Áustria, Espanha, França e Itália, e as de 200, apenas na Áustria, França e Itália. No caso da Itália, as cédulas foram impressas em Roma, na fábrica do Banco da Itália.

O BCE e o Banco da Itália organizaram pela primeira vez na história da União Europeia uma excursão com um pequeno grupo de jornalistas para mostrar como funciona a impressora. Nesse local, mais de 200 funcionários trabalharam durante meses, primeiro em dois turnos de sete horas e nas últimas semanas em um único de nove horas.

Nesse período, eles imprimiram milhões de euros, que foram guardados em uma grande caixa-forte de segurança máxima, chamada de "A Sacristia", e depois levados em caminhões aos vários bancos centrais dos países da zona do euro, para que começassem a circular hoje.

O espaço do maquinário do Banco da Itália é cercado por câmeras, tanto interna quanto externamente, e só é possível entrar no local depois de passar por vários controles de segurança e sem qualquer celular ou dispositivo móvel.

O espaço é dividido em três grandes áreas. Na primeira, grandes folhas recebem a impressão colorida, na segunda são colocados os elementos de segurança --como a numeração e o relevo--, e na última, totalmente automatizada, as folhas são cortadas, agrupadas em pacotes, embrulhadas em plástico e colocadas em caixas.

Em todos os processos, funcionários verificam constantemente se as notas estão iguais. Caso algum defeito seja encontrado, a cédula é destruída automaticamente.

Novas cédulas encerram série 'Europa'

As novas notas de 100 e 200 euros são as últimas da série "Europa" --já que a de 500 deixou de ser produzida em 2016-- e vão conviver com as antigas, que continuarão a ser legais.

Tendo pela primeira vez o desenho modificado, elas são mais práticas porque, como ressaltou Varela, o tamanho foi reduzido para que fiquem com a mesma altura de as de 50 euros, de forma que seja mais fácil usar, botar e tirar da carteira. O comprimento, no entanto, foi mantido. Ele aumenta quanto maior for o valor, uma forma de ajudar pessoas com deficiência visual.

Essas cédulas são ainda mais coloridas, porque incluem uma ampla gama de tons intermediários, entre o verde e o amarelo, que torna as notas mais atraentes ao público.

Além disso, foram incorporados novos elementos de segurança: um holograma e um número verde-esmeralda aprimorado, com os quais o BCE e os bancos centrais dos países tentaram dificultar o trabalho de falsificadores. A autenticidade das cédulas agora é mais fácil de ser comprovada com o método "toque, olhe, gire", segundo Varela.

"Quando você segura a nota pelos dois extremos percebe uma impressão em alto relevo. Se olha na direção da luz, vê que a princesa Europa aparece em dois pontos da cédula, na parte esquerda - na marca de água - e na parte direita - na faixa metálica", explicou.

Segundo Varela, quando o usuário gira a cédula ele vê um holograma, que mostra pequenos símbolos do euro que se movem ao redor do número que indica o valor e que é visto com mais clareza na luz direta.

Foram necessários seis anos para preparar e colocar em circulação toda a série "Europa", mas antes "o BCE e os bancos centrais trabalharam por anos para criar o projeto e os recursos extras de segurança e para preparar as notas para a grande produção".

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias