IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Trump vê avanços nas negociações com a China antes de reunião com Xi

28/06/2019 23h05

Osaka (Japão), 29 jun (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira que já conseguiu alguns avanços nas negociações sobre a guerra comercial com a China durante a cúpula do G20 e confirmou que conversará com o presidente do país asiático, Xi Jinping, sobre as controvérsias envolvendo a empresa de tecnologia Huawei.

Três horas antes da esperada reunião com Xi em Osaka, no Japão, Trump revelou que ambos tinham iniciado um diálogo na noite de sexta-feira.

"Estive com ele ontem à noite. Na realidade, ontem à noite conseguimos muitas coisas", disse Trump ao começo de uma reunião com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman.

"As relações são muito boas com a China. Quanto a se podemos chegar a um acordo, o tempo dirá. Mas a relação em si é muito boa. Temos uma amizade muito boa, muito, muito boa", acrescentou.

Perguntado sobre se conversariam sobre a Huawei, Trump não só confirmou, como ressaltou que as discussões comerciais estarão na pauta.

O fim do veto dos Estados Unidos à venda de tecnologia americana à Huawei é uma das prioridades da China na negociação com Trump, mas não está claro se Washington cederá.

A empresa conseguiu assumir a liderança no desenvolvimento da tecnologia 5G, algo que os Estados Unidos veem com preocupação, porque temem que a China aproveite esses sistemas para espionagem.

Segundo o "The Wall Street Journal", uma possibilidade é de que os Estados Unidos possam retirar a ordem de extradição contra a diretora financeira da empresa, Meng Wanzhou, detida no ano passado no Canadá, como parte de um acordo comercial.

Em maio, Trump rompeu a última trégua com a China ao aumentar para 25% as tarifas a US$ 200 bilhões em produtos do país asiático e ameaçou ampliar os encargos a mais o equivalente a US$ 325 bilhões em importações.

Essa possibilidade gerou reclamações nos EUA pelo aumento que provocaria no custo de produtos muito populares, como celulares iPhone ou tênis da Nike.

Tanto Washington como Pequim deram sinais de otimismo antes da reunião deste sábado entre Trump e Xi.

O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, disse na quarta-feira que as negociações estavam "a 90% do caminho" para que seja fechado um acordo, e o vice-ministro de Comércio chinês, Wang Shouwen, citou na segunda-feira a necessidade de se fazer "concessões".

Se Trump e Xi por fim conseguirem uma trégua destinada meramente a impedir a aplicação de novas tarifas, isso significaria paralisar mais uma vez a disputa central das negociações: a tentativa do governo americano de forçar mudanças estruturais em temas como a propriedade intelectual na China. EFE

Economia