PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Dow Jones fecha em leve alta à espera de Fed e negociações EUA-China

29/07/2019 18h57

Nova York, 29 jul (EFE).- O índice Dow Jones Industrial fechou nesta segunda-feira em leve alta de 0,11%, com os investidores à espera dos próximos desenvolvimentos nas negociações comerciais entre Estados Unidos e China e de notícias sobre os rumos da política monetária do Federal Reserve.

O principal indicador da Bolsa de Nova York somou 28,90 pontos e chegou a 27.221,31. O seletivo S&P 500 caiu 0,16%, para 3.020,97, e o índice composto da Nasdaq recuou 0,44% e fechou aos 8.293,33 pontos.

O mercado nova-iorquino se mostrou hoje com atenção dividida entre vários temas que vão se desenvolver durante a semana. O primeiro deles é a reunião comercial entre os governos americano e chinês amanhã, em Xangai, e que terá a presença, pelos EUA, do secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e do representante comercial Robert Lighthizer.

O segundo acontecerá na quarta-feira, quando termina a reunião de dois dias da Comissão Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve, após a qual pode ser definido se o banco central americano vai diminuir os juros básicos pela primeira vez em mais de dez anos.

Outro tema que ganha atenção dos investidores é a temporada de divulgação de resultados corporativos. Hoje foi a vez da Pfizer, cujas ações despencaram 3,81% após analistas mostrarem descontentamento com a notícia de que a companhia teve um faturamento pior que o esperado e apesar da fusão de sua divisão de fármacos sem patente com a companhia Mylan, também especializada em genéricos.

A queda nos papéis da farmacêutica foi a pior do dia no Dow Jones, seguida pelas de Dow (-2,16%), Boeing (-1,39%) e Goldman Sachs (-0,82%). Já as principais altas foram dos títulos de Intel (1,78%), Johnson & Johnson (1,75%), 3M (1,60%), Merck (1,30%), Walt Disney (1,20%) e Caterpillar (1,16%).

No horário de fechamento da bolsa, a onça do ouro subia para US$ 1.426,20, e a rentabilidade dos treasuries de 10 anos caía para 2,062%. EFE