PUBLICIDADE
IPCA
+0,31 Abr.2021
Topo

Raúl Castro prioriza tema econômico em discurso em Congresso de partido único

16/04/2021 19h50

Havana, 16 abr (EFE).- O primeiro secretário do Partido Comunista de Cuba (PCC), Raúl Castro, destacou nesta sexta-feira a importância de fortalecer a economia do país em um momento marcado pela crise e pela escassez.

Em discurso na abertura do VIII Congresso do partido único cubano, o ex-presidente do país e irmão do falecido líder Fidel Castro disse que o "desenvolvimento da economia nacional" é, hoje, junto com "a luta pela paz e firmeza ideológica", uma das "principais missões" da legenda.

Castro, de 89 anos, deve entregar a liderança do partido ao atual presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel.

Essas declarações de Castro foram transmitidas pela emissora de rádio estatal "Radio Reloj". O encontro partidário é realizado a portas fechadas, sem permissão de cobertura da imprensa estrangeira e sem transmissão ao vivo pela televisão.

No discurso, Castro também defendeu "o aumento da produção nacional, especialmente de alimentos, e o banimento do hábito nocivo da importação".

O presidente do partido acrescentou que "o país deve se acostumar a viver com o que temos e não exigir mais do que somos capazes de gerar, desde que as demandas não satisfeitas da população representem um incentivo para os produtores nacionais".

As declarações de Castro foram feitas em meio a uma situação crítica no país caribenho, que há décadas enfrenta uma ineficiência econômica agora agravada pela pandemia de covid-19 e pelo duro embargo americano.

O país vive uma grave escassez de praticamente todos os alimentos, bens básicos e medicamentos, resultando em longas filas em todo o país para comprar qualquer produto.

O VIII Congresso do partido comunista, realizado no Palácio da Convenção, no leste de Havana, e que termina na próxima segunda-feira, pode ser marcado por uma ampla mudança de geração na cúpula da legenda, com a aposentadoria de nomes fortes como Castro e a ascensão de lideranças nascidas após a Revolução de 1959.