PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

PIB do Chile cresceu 0,3% no 1º trimestre, em plena segunda onda da pandemia

18/05/2021 17h35

Santiago, 18 mai (EFE).- O Produto Interno Bruto (PIB) do Chile cresceu 0,3% no primeiro trimestre de 2021, em comparação com o mesmo período do ano passado, em meio à segunda onda da pandemia que levou ao limite o sistema de saúde e provocou a confinamento de grande parte da população do país, informou o Banco Central chileno nesta terça-feira.

De acordo com a entidade, a demanda interna aumentou 6,7% na base anual devido a um forte aumento do comércio e, em menor medida, a um aumento das atividades agropecuárias e da indústria manufatureira.

Entretanto, as atividades de serviço e de construção "foram afetadas pelos efeitos da emergência sanitária, que influenciaram a mobilidade e o funcionamento normal dos estabelecimentos produtivos".

O crescimento econômico em relação ao trimestre anterior foi de 3,2%, impulsionado por um aumento das atividades de serviços, do setor empresarial e dos transportes, acrescentou o Banco Central chileno.

As despesas domésticas cresceram, impulsionadas pelo aumento do consumo e das despesas mais elevadas das famílias, "influenciadas por medidas econômicas de apoio às famílias e por saques parciais dos fundos de pensões".

Desde o início da pandemia, o governo atribuiu US$ 18 bilhões em ajuda social e, ao mesmo tempo, aprovou em três ocasiões distintas a retirada de 10% dos fundos de pensões para proporcionar liquidez às famílias.

"No que diz respeito ao comércio externo, as exportações caíram 5,1%, principalmente devido à diminuição das exportações de cobre e serviços", detalhou o Banco Central do Chile.

A produção de cobre, que representa cerca de 10% do PIB do país, caiu 2,1%, devido "ao mau desempenho das jazidas de cobre e a uma diminuição do número de trabalhadores".

O metal vermelho, do qual o Chile é o principal produtor mundial, tem sido fundamental na recuperação econômica após a crise sanitária e o seu preço está em máximos históricos, perto de US$ 5 por libra.

Em 2020, a economia chilena encolheu 5,8% devido à pandemia - o pior declínio em quatro décadas - e o Banco Central estima que o crescimento do PIB em 2021 se situará entre 6% e 7%.

Com mais de 1,2 milhão de pessoas infectadas e quase 28.000 mortos, o país sul-americano sofreu uma segunda onda de Covid-19 em março e abril que levou ao confinamento de mais de 90% da população, mas que se estabilizou nas últimas duas semanas.

As autoridades começaram a suspender as restrições em maio e, ao mesmo tempo, aceleraram o processo de vacinação, um dos mais rápidos do mundo.

Com 19 milhões de habitantes, o Chile inoculou uma dose em 60% da população, enquanto quase 50% está totalmente vacinada.