PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

EUA retiram chinesa Xiaomi de lista de empresas mal vistas

Logotipo da multinacional chinesa Xiaomi exibido em um smartphone; empresa deixa lista americana de mal vistas - Mateusz Slodkowski / SOPA Images / LightRocket via Getty Images
Logotipo da multinacional chinesa Xiaomi exibido em um smartphone; empresa deixa lista americana de mal vistas Imagem: Mateusz Slodkowski / SOPA Images / LightRocket via Getty Images

28/05/2021 04h32

Os Estados Unidos retiraram de uma de suas listas negras comerciais a Xiaomi, do ramo da tecnologia, depois que um tribunal americano ordenou que a companhia asiática deixasse de ser designada como uma "empresa das forças armadas comunistas chinesas".

Em breve nota oficial emitida, o Departamento do Tesouro explicou que a Xiaomi tinha sido rotulada dessa forma pelo Pentágono em 14 de janeiro, nos últimos dias do mandato do ex-presidente Donald Trump, o que levou à sua inclusão em uma relação de empresas mal vistas pelos EUA e com as quais os americanos não podem realizar transações.

Você pode assistir a toda a programação do Canal UOL aqui

Entretanto, após uma decisão de um tribunal federal no Distrito de Columbia na última terça, o nome da companhia foi removido. A corte considerou a decisão de Trump "arbitrária e caprichosa".

Em fevereiro, Xiaomi processou o governo americano por ter sido colocada na lista. Em março, o tribunal já havia concedido uma isenção preliminar.

A Xiaomi é um dos principais fabricantes mundiais de telefones celulares, e sua principal concorrente no mercado chinês, a Huawei, ainda luta para deixar a relação de mal vistos pelos EUA.

Trump assinou uma ordem executiva em novembro, que entrou em vigor em janeiro e vetou os investimentos do país em várias empresas chinesas, incluindo Xioami e Huawei, por supostamente apoiarem os esforços do aparelho de inteligência, militar e de segurança de Pequim.

A lista é diferente da "lista negra" do Departamento de Comércio, que proibiu os laços da Huawei e outras empresas tecnológicas chinesas com fornecedores americanos devido a potenciais ameaças à segurança nacional.