PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Prefeitura de Nova York investirá US$ 4,8 milhões na indústria da maconha

20/04/2022 20h30

Nova York (EUA.), 20 abr (EFE).- O prefeito de Nova York, nos Estados Unidos, Eric Adams, anunciou nesta quarta-feira a intenção de investir US$ 4,8 milhões (R$ 22,2 milhões) na promoção da indústria da maconha, que tem uso legalizado no estado homônimo, embora a regularização ainda não esteja concluída.

"Poderia ser uma grande ajuda para nossa recuperação econômica, criar novos postos de trabalho, gerar riqueza em comunidades historicamente desamparadas e aumentar as receitas fiscais estatais e municipais", afirmou Adams, em entrevista coletiva.

O prefeito afirmou esperar que o novo investimento esteja incluído nos orçamentos municipais de 2023. A ideia é focá-los na promoção do crescimento da indústria, na aproximação dos serviços municipais junto as comunidades, e na oferta de ajuda técnica aos empreendimentos que quiserem solicitar autorização para funcionar.

De acordo com comunicado enviado pela prefeitura de Nova York, os investimentos também ficarão concentrados nas comunidades mais afetadas pela atuação da polícia na guerra contra as drogas.

"Com um novo mercado regulado para o uso do cannabis pelos adultos, no horizonte imediato, agora é o momento de que nossa cidade faça investimentos pró-ativos para garantir que as pessoas afetadas de maneira desproporcional pela criminalização destas substâncias possam aproveitar os benefícios da nova indústria", explicou Adams.

Segundo as estimativas das autoridades, o uso recreativo de maconha gerará US$ 1,3 bilhão (R$ 6 bilhões) no primeiro ano, além da criação de 19 mil a 24 mil postos de trabalho em três anos.

O estado de Nova York é um dos 16 dos Estados Unidos que permitem o uso recreativo da droga, junto com Alaska, Califórnia, Oregon, Washington, Nevada, Colorado, Michigan, Illinois, Massachusetts, Maine e Vermont, além de Washington, D.C., Nova Jersey, Dakota do Sul, Montana e Arizona, onde já foi autorizado o cultivo da planta. EFE