PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

FMI: PIB de alguns países europeus pode cair 6% se Rússia cortar gás

19/07/2022 17h02

Washington, 19 jul (EFE).- Uma interrupção total do fornecimento de gás da Rússia para a Europa teria um efeito devastador sobre os países da Europa Oriental e Central, que poderiam ver seu Produto Interno Bruto (PIB) cair cerca de 6%, de acordo com um relatório publicado nesta terça-feira pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Na Alemanha, principal motor econômico da União Europeia, o PIB cairia em cerca de 3% no caso de um corte total.

No caso da Espanha, que é muito menos dependente do gás da Rússia, o efeito seria significativamente mais limitado, e a queda do PIB seria de cerca de 1%, mesmo caso da França.

Os países cujas economias mais sofreriam com um bloqueio total da Rússia - uma opção cada vez mais especulada - seriam, nesta ordem, Hungria, Eslováquia, República Tcheca, Itália, Alemanha, Áustria, Romênia, Eslovênia, Croácia, Polônia e Holanda.

Destes, os quatro primeiros (Hungria, Eslováquia, República Tcheca e Itália) sofreriam uma queda na atividade de cerca de 6% do PIB.

Em todos eles, exceto na Itália, existe, segundo o FMI, o risco de que, se a Rússia cortar o gás, o abastecimento possa cair em até 40%.

"Estes impactos poderiam ser mitigados encontrando fontes alternativas de abastecimento, aliviando gargalos na infraestrutura, promovendo a economia de energia e aumentando os acordos de solidariedade entre países para compartilhar gás", diz o relatório.

O gás russo cobre 40% das necessidades de gás da Europa, que até agora decidiu não vetar a compra do combustível da Rússia, que por sua vez já suspendeu todo ou parte do fornecimento a 12 países.

Nos últimos meses, as remessas para a Europa via Ucrânia caíram quase 30%, e as do gasoduto Nord Stream, que transporta o gás russo diretamente para a Alemanha sob o mar Báltico, em 60%.

O Nord Stream está atualmente em uma paralisação técnica para "manutenção planejada", e sua viabilidade é incerta devido a problemas na revisão das turbinas que a Rússia encontrou devido às sanções ocidentais, de acordo com a empresa estatal russa Gazprom. EFE

arc/id