Bolsas

Câmbio

BIS: condições econômicas estão mais favoráveis

Célia Froufe, correspondente - celia.froufe@estadao.com

Londres, 25/06/2017

No último ano, as condições econômicas globais melhoraram e se tornaram as mais favoráveis desde a crise financeira internacional de 2008 e 2009. A avaliação foi feita pelo chefe do Departamento Econômico e Monetário do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), Claudio Borio, por meio de um documento que acompanha o Relatório Anual da instituição, divulgado há pouco. "Que diferença um ano pode fazer. Quando o Relatório Anual do ano passado foi impresso, a escuridão prevalecia nos mercados e na formulação de políticas", considerou.

Borio lembrou que um ano atrás, os mercados de ações estavam de lado e os rendimentos dos títulos públicos afundavam em direção a suas mínimas históricas, já que os investidores enxergavam a economia global presa em um crescimento fraco até um futuro distante. "Os formuladores de políticas estavam falando sobre uma 'recuperação anêmica'. Não demorou muito para que o resultado surpreendente do plebiscito no Reino Unido para deixar a União Europeia inicialmente se tornasse outro golpe para esse sentimento. As coisas mudaram substancialmente depois disso. O pessimismo deu lugar à confiança", avaliou.

O economista do BIS comentou que foi outro evento político - a eleição presidencial dos Estados Unidos - que voltou a marcar os mercados financeiros, que se tornaram mais dinâmicos. Ele salientou que a volatilidade se espalhou para níveis muito baixos, o que normalmente é um sinal claro de apetite de alto risco. "Assim, um bom ano foi suficiente para que as condições econômicas se tornarem as mais favoráveis desde a Grande Crise Financeira", escreveu.

O crescimento se fortaleceu consideravelmente e a previsão do BIS é a de que ele retornará para as médias de longo prazo "em breve". Borio citou que a desaceleração econômica das principais economias diminuiu, que em algumas delas as taxas de desemprego voltaram a níveis consistentes com o pleno emprego e que a inflação aproximou-se dos objetivos dos bancos centrais.

"Ainda assim, pode-se legitimamente perguntar se o sentimento se fortaleceu demais. As dúvidas sobre o futuro derivam de tensões que terão de ser resolvidas em algum momento e de desenvolvimentos a longo prazo que eventualmente possam ameaçar o crescimento", observou, acrescentando que existe conflito entre as leituras da volatilidade dos mercados financeiros, que caíram, e os indicadores de incerteza política, que surgiram.

Há também tensões entre os mercados de ações, que subiram, e as taxas de títulos soberanos, que não aumentaram muito à medida que as perspectivas econômicas ressurgiram. "E, infelizmente, os desenvolvimentos de longo prazo indesejáveis que denominamos 'a trindade arriscada' no Relatório do ano passado ainda estão conosco: crescimento de produtividade baixo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos