ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

'Até o fim de semana, tudo volta ao normal', diz presidente da Raízen

Armando Paiva/Raw Image/Estadão Conteúdo
Caminhoneiros parados nas imediações da Raízen, em Duque de Caxias (RJ) Imagem: Armando Paiva/Raw Image/Estadão Conteúdo

Mônica Scaramuzzo

São Paulo

31/05/2018 07h47

Segunda maior distribuidora de combustíveis do País, atrás da BR, a Raízen (joint venture entre Cosan e Shell) acredita que o abastecimento vai ser normalizado nos próximos dias, após a greve dos caminhoneiros. Luís Henrique Guimarães, presidente da companhia, ainda não vê com preocupação a paralisação dos petroleiros, deflagrada ontem. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Quanto tempo ainda demora para o abastecimento voltar ao normal?

Depende da região. As pessoas não têm ideia do impacto que (a greve) tem para a cadeia. Acredito que, agora, com o feriado prolongado, o fluxo seja mais rápido. Até o fim de semana, a situação irá se normalizar. Há regiões que foram mais afetadas, como Betim (MG), por exemplo. Nosso trabalho agora é reorganizar estoques. Os consumidores nem sempre se dão conta porque o produto está sempre lá nos postos.

O sr. vê a greve dos petroleiros com preocupação?

Não. O que foi das refinarias para as distribuidoras, em sua grande maioria, é via duto. Segundo ponto é que a Petrobras tem enorme competência para conduzir essa crise. A Raízen vai fazer a sua parte.

Como a Shell recebeu a notícia da crise?

Não muda a percepção deles sobre o Brasil. Eles acompanham o desenrolar e acreditam na capacidade da companhia de conduzir a crise.

Como foram as conversas das distribuidoras em Brasília?

Todas tentaram administrar a situação: saber quais eram os locais mais frágeis. Houve uma conjunção de energia ali para resolver este problema.

Qual foi o impacto na Raízen?

As perdas foram representativas, mas não temos a magnitude (o faturamento da Raizen Distribuidora é de cerca de R$ 8 bilhões por mês).

Como a discussão tributária deve ser conduzida?

A discussão futura tem de ser de criar mecanismos para que se possa poupar para poder gastar nos momentos como estamos vivendo agora.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Segunda maior distribuidora de combustíveis do País, atrás da BR, a Raízen (joint venture entre Cosan e Shell) acredita que o abastecimento vai ser normalizado nos próximos dias, após a greve dos caminhoneiros.","image":{"sizes":{"personalizado":"","original":"615x300"},"height":300,"width":615,"crops":"80x80;142x100;142x200;300x100;300x200;300x300;300x420;300x500;615x300;615x470;956x500;1024x768;1920x540;1920x1080;1920x1278","src":"http://conteudo.imguol.com.br/c/noticias/65/2018/05/31/24abr2018---caminhoneiros-e-motoristas-de-aplicativos-realizam-manifestacao-nas-imediacoes-da-raizen-localizada-na-rodovia-washington-luiz-br-040-no-municipio-de-duque-de-caxias-no-rio-de-janeiro-1527765562738_615x300.jpg","type":"","titulo":"Caminhoneiros parados nas imediações da Raízen, em Duque de Caxias (RJ)","credito":"Armando Paiva/Raw Image/Estadão Conteúdo"},"date":"31/05/2018 15h41","kicker":"Estadão Conteúdo"}}' cp-area='{"xs-sm":"49.88px","md-lg":"33.88px"}' config-name="economia/economia">

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia