PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Fipe mantém projeção de alta de 0,14% para IPC de dezembro

Caio Rinaldi

São Paulo

11/12/2018 12h02

A alta de 0,15% do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisa Econômicas (Fipe) na primeira quadrissemana de dezembro veio em linha com a expectativa da fundação, explicou ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) o coordenador do indicador, Guilherme Moreira. Com isso, a expectativa de alta de 0,14% para o resultado fechado do mês está mantida. Se confirmada a estimativa para dezembro, o IPC-Fipe deverá fechar o ano com alta de 3,07%, relatou Moreira.

"Veio totalmente dentro do previsto, sem nenhuma surpresa", declarou. O economista destacou o fato de itens muito pressionados ao longo de 2018, como o leite longa-vida e a gasolina, estarem devolvendo as altas agora neste fim de ano.

"Chama atenção o recuo do leite longa-vida, que teve a maior queda nesta medição (-12,95%) e está retornando ao preço normal. Este era o último de peso que ainda não tinha devolvido a alta do ano", comentou Moreira.

Já sobre o comportamento da gasolina (-4,85%), o economista apontou que os reajustes da Petrobras demoraram um pouco mais para chegar ao consumidor, mas é um movimento que está ocorrendo.

"A gasolina também está caindo, apesar das dúvidas. Teve muito questionamento quando a Petrobras começou a baixar os preços nas refinarias, mas não chegava nas bombas. Aos poucos, os preços da gasolina vêm caindo, também por causa da forte competição entre os postos de combustíveis em São Paulo", explicou Moreira.

2019

Em relação ao ano que vem, Moreira avalia que a aceleração da atividade econômica pode gerar um pouco de pressão adicional sobre os preços, porém uma possível valorização cambial deve compensar o movimento. "A economia em crescimento traz uma taxa de câmbio mais comportada. Não devemos ter grandes problemas no ano que vem em inflação", disse. "Já do ponto de vista político, o ano é muito desafiador, com agenda de reformas necessárias a se fazer", lembrou.