IPCA
0.75 Mar.2019
Topo

Bradesco: bolsa pode receber US$ 50 bi de fundos de emergentes em 2019

Altamiro Silva Junior e Aline Bronzati

São Paulo

2018-12-14T15:50:00

14/12/2018 15h50

O Bradesco estima que o Brasil pode receber US$ 50 bilhões apenas de fundos dedicados a emergentes em 2019, caso a agenda de reformas avance, disse nesta sexta-feira, 14, o vice-presidente do banco, Marcelo Noronha. Além destes recursos, fundos globais, que não investem só em emergentes, poderiam trazer mais US$ 50 bilhões para o mercado financeiro local.

Além dos recursos para o mercado financeiro, o banco estima que US$ 200 bilhões podem vir nos próximos cinco anos, auxiliado, por exemplo, pela agenda de privatizações, concessões e investimentos em infraestrutura. Noronha disse que para todos esses recursos aportarem aqui, é preciso que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, avance com a agenda de reformas, sobretudo a Previdência.

Noronha contou que esteve reunido recentemente em Nova York com dois fundos globais e constatou esse interesse. Por volta de 2010, o Brasil respondia por 16% da alocação de recursos dos fundos dedicados a emergentes. Este patamar veio caindo e estava em apenas 5% este ano, mas já começou a subir e pode ir a 7%, ressaltou o executivo. Com as reformas avançando, a expectativa é que o País recupere mais espaço e volte ao menos no nível que tinha em 2010, afirmou.

Noronha disse que a entrada desses recursos em 2019 pode ajudar a bolsa a subir e a apreciar o real. Nas reuniões em Nova York, ele contou que um dos gestores de um fundo global disse que há cinco anos não tinha demandas sobre Brasil, mas agora o quadro começou a se alterar.

Para a diretora do Bradesco Denise Pavarina, neste final de ano o quadro ainda é de cautela dos estrangeiros, que estão com um olhar mais cuidadoso, e é natural que seja assim, por conta da troca de governo e de ainda haver dúvidas sobre a agenda de reformas.

"O investidor que tinha feito redução de exposição não vai entrar em um momento que tem muita dúvida", disse ela. "Mas eles estão muito ávidos para entrar."

Mais Economia