IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Campos Neto vê forte desaceleração na economia externa

Aline Bronzati e Francisco Carlos de Assis

São Paulo

12/08/2019 15h27

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse que existe uma forte desaceleração da economia no cenário exterior. Em março do ano passado, a expectativa de crescimento global era de 3,7% em 2019 e 3,6% em 2020. Essas projeções caíram para 3,3% neste e no próximo ano.

"O ano de 2019 começou e tivemos uma desaceleração na expectativa para 2020. Teremos um crescimento menor, mas muito provavelmente com os números da Europa e Ásia, e números importantes hoje da China, esse número tende a cair mais", disse o presidente do BC.

Segundo ele, as expectativas de juros em dezembro e março sinalizam um movimento de reprecificação nas economias externas. "O mundo enxerga que viveremos com juros mais baixos nos Estados Unidos, Inglaterra e Europa", acrescentou Campos Neto.

Como pano de fundo para os juros menores, ele citou a tensão comercial, o envelhecimento da população, fatores geopolíticos e polarização política como tem ocorrido na Argentina. "A percepção que temos é a falta de instrumentos para lutar contra crescimento mais baixo", resumiu Campos Neto em evento do Santander Brasil.

IBC-Br

Campos Neto afirmou que o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) divulgado nesta segunda não é o crescimento que o Brasil "deseja e merece", mas que há uma recuperação importante. O indicador subiu 0,30% em junho, acima da mediana das estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast, de alta de 0,10%.

"Olhamos para o PIB e notamos uma precificação para baixo recente, mas a partir do segundo semestre esperamos que melhore um pouco", disse Campos Neto.

Sobre a taxa básica da economia, a Selic, o presidente do BC afirmou que após o recuo na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que baixou os juros para 6,0% ao ano, ainda há espaço para "queda adicional".

Reservas cambiais

Campos Neto disse que o Brasil tem reservas cambiais que o colocam em posição sólida para enfrentar crises. Ao fim de julho, a posição cambial líquida do País era de R$ 326 bilhões.

"Hoje (segunda) é um dia desafiador porque a Argentina, com problemas, subiu os juros e está vendendo moeda no mercado. Mas o Brasil está bastante preparado para este cenário", disse Campos Neto.

Para ele, além da reforma da Previdência, as outras reformas estruturais devem ajudar o Brasil a ter uma melhora de rating. "Nunca entendemos quer era necessária somente a reforma da Previdência. O Brasil precisa estar engajado em outras reformas", acrescentou.

Economia