IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Brasileiros estão mais otimistas para fazer compras, diz pesquisa

Márcio Pannunzio/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Imagem: Márcio Pannunzio/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Francisco Carlos de Assis

São Paulo

12/11/2019 10h23

O brasileiro, de modo geral, está mais otimista com a capacidade de fazer compras para casa, com as finanças pessoais e com o padrão de vida. É o que mostra a pesquisa Expectativa dos Brasileiros com o Cenário Político & Social, realizada pela parceria entre a Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi) e Kantar Brasil Insights, divulgada hoje, durante o 14º Seminário Internacional Acrefi (Siac).

Segundo o levantamento, de um total de 1 mil pessoas ouvidas entre 1º e 14 de outubro nas cinco regiões do País, 56% acreditam que a situação financeira pessoal vai melhorar, enquanto 49% esperam que o padrão de vida e a capacidade de fazer compras irão na mesma direção.

Dos consultados, 59% disseram que não têm dívidas. Para 61%, a fatura do cartão de crédito é a conta que sofre maior atraso na hora do pagamento.

O fato é que a situação do País como um todo, segundo a pesquisa, está melhor para a população, sendo vista como ótima ou boa por 17% da população. O levantamento também detectou redução da avaliação do cenário que era considerado péssimo, caindo de 20% para 15%, ambos influenciados pela percepção das pessoas mais velhas, de 46 a 65 anos.

Para o presidente da Acrefi, Hilgo Gonçalves, o Brasil vive um importante momento de transformação cultural, onde cada vez mais a população tem se mantido muito atenta a todos os acontecimentos e, com isto, está mais consciente em suas decisões.

"A aprovação das reformas da Previdência e o início do debate sobre a reforma tributária dão sustentabilidade à confiança de que a situação econômica do Brasil será melhor para os próximos anos", diz Gonçalves.

Crédito

Segundo o presidente da Acrefi, a pesquisa verificou uma ligeira melhora da percepção dos entrevistados que acreditam que a oferta de crédito para a população irá melhorar, subindo de 36% para 38%. Automóvel, para 56% dos entrevistados, e Imóvel, para 42%, são os itens em que os brasileiros estão mais propensos a fazer financiamento no próximo ano.

"A recuperação cíclica ganha tração. Temos redução de juros, inflação baixa e expansão do Crédito Total no Sistema Financeiro Nacional (SFN), que deve alcançar 8% em 2019. Para o crescimento do crédito com recursos livres Pessoa Física, projetamos 14% (de crescimento) e, o da pessoa jurídica, em torno de 9%", disse Gonçalves, para quem o PIB terá alta de 1% em 2019 e 2% em 2020.

Desemprego

O levantamento aponta que o desemprego ainda é uma variável que merece atenção, principalmente entre os mais jovens, de 18 a 28 anos: no mesmo período do ano passado, 31% manifestavam preocupação com o desemprego. Atualmente, 55% dizem estar preocupados com a situação.

A principal prioridade do atual presidente, segundo os ouvidos, é a educação (19%) - que divide importância com a oferta de emprego e reforma trabalhista (17%), influenciada pelo Nordeste. Houve queda esperada da relevância da reforma da Previdência, cujo projeto foi aprovado no Legislativo, também puxada pelo Nordeste.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Economia