PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Democratas aprovam na Câmara mais US$ 3 tri em resposta à pandemia do coronavírus

Washington

16/05/2020 09h59

Os democratas aprovaram na noite desta sexta-feira (15), na Câmara, um projeto de lei que prevê mais US$ 3 trilhões em socorro à crise econômica nos Estados Unidos provocada pela pandemia do novo coronavírus. O texto, que teve oposição de quase todos os deputados republicanos - apenas um deu voto a favor - não deve se tornar lei, como propõe, mas desencadeará negociações difíceis com a Casa Branca e os republicanos no Senado. O resultado em torno do projeto deverá ser a última grande medida de resposta à crise do novo coronavírus antes das eleições presidenciais americanas e do Congresso, em novembro.

A proposta dos democratas custaria mais aos cofres norte-americanos do que os pacotes de ajuda aprovados anteriormente. Nela está previsto quase US$ 1 trilhão para governos estaduais e locais e mais uma rodada de pagamentos de US$ 1,2 mil feitos diretamente a americanos, que trariam alívio a desempregados, locatários e proprietários de imóveis, detentores de dívidas com universidades, além do serviço de correios do país, que enfrenta dificuldades.

"Não agir agora não seria irresponsável apenas do ponto de vista humanitário, seria irresponsável porque só vai custar mais", disse na sessão a presidente da Câmara, Nancy Pelosi. "Mais vidas, mais meios de subsistência, mais custo para o orçamento e para nossa democracia", acrescentou.

Os republicanos ridicularizaram o projeto, dizendo que o texto chegou "morto" ao Senado, liderado pelo partido, e que enfrentaria ameaça de veto na Casa Branca. Os líderes do partido alegam querer avaliar os efeitos dos outros US$ 3 trilhões aprovados anteriormente e se a reabertura parcial do comércio em alguns Estados provocaria um renascimento econômico que diminuiria a necessidade de mais programas de ajuda.

Membros do partido, no entanto, analisam divisões internas e aguardam sinais mais fortes do presidente Donald Trump sobre apoiar ou não o projeto. Trump e os principais parlamentares republicanos, como o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, de Nova York, têm insistido que a próxima medida deve proteger a reabertura de empresas de ações judiciais. O presidente também vem exigindo um corte nos impostos sobre os salários, mas líderes do partido republicano ainda não estão de acordo sobre este ponto.

Alguns democratas moderados se opuseram ao pacote de US$ 3 trilhões por considerá-lo grande demais e prever medidas polêmicas, como apoio a negócios relacionados à maconha. Os progressistas consideraram que o projeto poderia ser mais abrangente, garantindo salários de trabalhadores e reforçando a cobertura do seguro de saúde. Quatorze democratas votaram contra a medida, quase todos de centro.

Alguns assessores do Congresso disseram que o preço real do projeto de lei democrata pode ultrapassar US$ 3,5 trilhões. Uma estimativa parcial das provisões fiscais revelou que serão necessários US$ 412 bilhões para renovar US$ 1.200 em dinheiro pago diretamente a indivíduos, mais de US$ 100 bilhões para pagar prêmios de seguro de saúde a desempregados e US$ 164 bilhões em créditos fiscais voltados a estimular a retenção de funcionários por empresas.

Os líderes republicanos também enfrentaram desunião entre os conservadores, que consideram já ter sido feito o suficiente em termos de ajuda financeira. Mas os mais pragmáticos do partido apoiam o resgate do Serviço Postal de sua iminente insolvência e a entrega de dinheiro a governos estaduais e locais carentes de receita. No entanto, a dimensão do pacote e a falta de consulta aos republicanos por Pelosi fortaleceram a oposição republicana. O único que apoiou o projeto de lei foi o deputado Peter King, de Nova York, que está se aposentando. Fonte: Associated Press.

Economia