PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

É cretino atacar o governo do seu próprio país em vez de ajudar, diz Guedes

Wagner Gomes e Anne Warth

São Paulo

29/05/2020 12h20

O ministro da economia, Paulo Guedes, aproveitou um seminário que debate propostas para o desenvolvimento do mercado de gás natural para dizer que o novo coronavírus veio de fora e que é "cretino atacar o governo do seu próprio país em vez de ajudar num momento como esse". Ele admitiu que existem erros, mas que o governo espera a ajuda de todos.

"Ninguém quer apoio a erros. Erramos, nos critique, mas nos ajudem", disse ele.

Guedes afirmou que o governo não está na luta para salvar vidas e ficar sendo apedrejado enquanto ajuda. Ele disse que isso não o afeta, mas que é um crime contra a população brasileira.

Segundo o ministro, é uma virtude da democracia a demarcação de território e que "um pisar no outro é natural". "Se um poder pisa no meu pé, eu dou um empurrão. Isso é natural e é da própria crise", comentou, acrescentando que a economia não anda sem a saúde e nem a saúde será garantida sem a economia.

Ele afirmou ainda que o governo continua resiliente e inabalável de furar duas ondas, a da saúde e a econômica, e fez um pedido para que as brigas entre os poderes sejam evitadas.

Segundo ele, a briga deve acontecer só quando o barco chegar na margem. "Então, se briga na margem. Se brigar no barco, o barco naufraga", disse.

Para Guedes, os sinais vitais da economia brasileira estão mantidos. "Pode ser um 'V' e até um 'L' de cair e virar depressão. Só depende de nós. Prefiro trabalhar com um 'V'", disse, em referência à forma da retomada da atividade.

O ministro comentou ainda que democracia brasileira é barulhenta, mas que está se aperfeiçoando.

Segundo ele, o retorno ao trabalho será segmentado e não ao mesmo tempo. "será por unidades geográficas", afirmou.