PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Melhora percepção das empresas sobre impactos da covid na 2ª quinzena de agosto

As empresas do setor de construção foram as que mais sentiram impactos negativos da covid-19 - Getty Images
As empresas do setor de construção foram as que mais sentiram impactos negativos da covid-19 Imagem: Getty Images

Daniela Amorim

Rio

01/10/2020 10h14

O Brasil tinha 3,4 milhões de empresas em funcionamento na segunda quinzena de agosto, sendo que 33,5% delas informaram que a pandemia do novo coronavírus afetou negativamente suas atividades. Os dados são da Pesquisa Pulso Empresa: Impacto da covid-19 nas Empresas, que integram as Estatísticas Experimentais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Para 37,9% das empresas em funcionamento, o efeito da pandemia sobre os negócios foi pequeno ou inexistente, enquanto outros 28,6% relataram ter observado um impacto positivo.

As empresas do setor de construção foram as que mais sentiram impactos negativos da covid-19: 40% das companhias do setor se queixaram dos reflexos da pandemia. No Comércio, 36% das companhias reportaram efeitos negativos nos negócios. Na indústria, 31,8% das empresas foram impactadas negativamente, enquanto nos serviços houve efeitos negativos em 30,5% das companhias.

Os efeitos negativos foram percebidos por 33,7% das empresas de pequeno porte, 22,8% das intermediárias e 23,8% das grandes empresas.

Entre as regiões, a pandemia impactou negativamente 30,4% das empresas no Norte; 35,0% no Sudeste, 37,2% no Sul, 31,4% no Centro Oeste e 24,7% no Nordeste.

Vendas

A pandemia do novo coronavírus provocou uma queda nas vendas ou serviços comercializados em 32,9% das empresas em funcionamento no País na segunda quinzena de agosto. Por outro lado, 34,7% das empresas disseram que o efeito foi pequeno ou inexistente, e outros 32,2% das companhias declararam ter registrado aumento nas vendas com a pandemia.

Entre as regiões, houve diminuição das vendas em 36% das empresas do Sudeste e em 40,6% das companhias no Sul. No Centro-Oeste, 26,7% relataram recuo nas vendas, enquanto no Norte esse porcentual foi de 23,4%. No Nordeste, apenas 15,4% das empresas relataram vendas menores, enquanto outros 58,6% disseram que houve aumento.

Entre os setores, 42,7% das empresas da Construção tiveram redução nas vendas. Na indústria, 29,8% venderam menos. Nos Serviços, houve redução em 30,8% das companhias.

Por outro lado, 40,7% das empresas do Comércio perceberam aumento nas vendas, com destaque para o Comércio de veículos, peças e motocicletas (46,6%) e o Comércio Varejista (43,0%). Outros 34,3% das empresas de Comércio tiveram redução nas vendas.

A queda nas vendas foi mais sentida entre as pequenas empresas, alcançando 33,1% delas. Entre as grandes empresas, 22,8% venderam menos, e entre as médias empresas essa proporção foi de 19,8%.