PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Não há prejuízo se privatização da Eletrobras ficar para o 2º semestre, diz ministro

Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia - PILAR OLIVARES
Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia Imagem: PILAR OLIVARES

Marlla Sabino

Brasília

19/01/2021 07h25

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse ontem que não haverá prejuízo se a análise do projeto de lei (PL) da privatização da Eletrobras ficar para o segundo semestre de 2021. O texto, uma das prioridades do governo federal, foi enviado ao Congresso em 2019, mas não avançou.

Na semana passada, Albuquerque afirmou que acredita que os deputados e senadores vão aprovar o PL até o primeiro semestre. Nesse cenário, segundo ele, seria possível iniciar a implementação da capitalização da empresa já neste ano.

Apesar de descartar prejuízos em uma possível demora para análise da matéria, Albuquerque afirmou que, se não for privatizada, a Eletrobras não terá como manter sua participação atual na geração e na transmissão de energia elétrica.

"Não há prejuízo. A empresa está aí, está fazendo aquilo que pode fazer. Não tem recursos que seriam necessários para manter participação dela na geração e transmissão de energia, mas está sendo muito bem administrada", disse à TV Globo e à CNN.

"Entendemos que é importantíssimo para o setor elétrico que a Eletrobras volte a ter capacidade de investimentos", disse.

As declarações foram dadas após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes. O titular do MME disse que a intenção foi alinhar a atuação das pastas em relação a projetos prioritários no Congresso e na realização de leilões anunciados para este ano.

Além da Eletrobras, ele destacou a tramitação do projeto que trata do regime de exploração do pré-sal, a modernização do setor elétrico e a Nova Lei do Gás.

Questionado sobre as eleições para o comando do Congresso, ele evitou citar nomes de candidatos. "Nós trabalhamos com o Congresso Nacional, com as lideranças políticas, quaisquer que sejam elas."