PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Generais do Brasil tiveram dados expostos na internet

Guilherme Guerra

Em São Paulo

15/05/2021 08h10

Generais do Exército Brasileiro tiveram dados como nome, número de telefone, endereço de e-mail, nome de esposa e nome de auxiliares expostos na internet durante este mês de maio em um livreto confidencial publicado pelas Forças Armadas do Brasil, informou na sexta-feira, 14, a agência Núcleo Jornalismo, projeto editorial do Volt Data Lab. O material estava publicado na íntegra no Calaméo, plataforma para expor livros de forma digital.

O arquivo digital consultado pelo Núcleo Jornalismo, que foi recebido por meio de uma fonte anônima, diz que o documento foi gerado em 3 de maio de 2021 e que se trata de informações sigilosas. Além disso, o arquivo pede que a versão impressa do livro seja destruída e a digital, apagada permanentemente.

As informações foram retiradas do Camaléo logo após o contato do Núcleo Jornalismo com a comunicação oficial do Exército, que afirmou se tratar de material anterior à pandemia de covid-19.

A íntegra da nota do Exército, enviada à agência, foi a seguinte: "Atendendo à sua solicitação formulada por meio de mensagem eletrônica, de 12 de maio de 2021, o Centro de Comunicação Social do Exército informa que o referido material, na versão digital, é anterior à pandemia. Informamos, ainda, que a Força possui normas e realiza orientações para segurança de tecnologia da informação e comunicação."

O caso vem à tona após o mega vazamento de dados em que foram expostas informações de mais de 220 milhões de CPFs, 40 milhões de CNPJs e 100 milhões de licenças de veículos.

A principal consequência de quaisquer vazamento de dados é o risco de fraude de informações financeiras ou mesmo de sequestro de dados a partir de e-mails com senhas desprotegidas. A recomendação de especialistas é ter autenticação em dois fatores para todas as contas na internet, senhas longas e evitar clicar em links desconhecidos, dentre outras etapas.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Caso vem à tona após o mega vazamento de dados em que foram expostas informações de mais de 220 milhões de CPFs, 40 milhões de CNPJs e 100 milhões de licenças de veículos