PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Impacto do reajuste do gás natural a consumidor do RJ pode chegar a 40%, diz Abegás

A entidade entrou em novembro com representação no Cade denunciando o aumento abusivo da Petrobras - Ricardo Borges/Folhapress
A entidade entrou em novembro com representação no Cade denunciando o aumento abusivo da Petrobras Imagem: Ricardo Borges/Folhapress

Rio

14/12/2021 18h04

Os consumidores de gás natural no Rio de Janeiro, seja nas residências ou nos veículos, podem começar 2022 com um reajuste de 40% no preço do insumo, se o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) não se posicionar contra o aumento praticado pela Petrobras, afirmou ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) o diretor de Estratégia e Mercado da Abegás, Marcelo Mendonça.

A entidade entrou em novembro com representação no Cade denunciando o aumento abusivo da Petrobras, fornecedora de 80% do gás natural comercializado no Brasil. Por falta de concorrência, as distribuidoras estão tendo que aceitar o reajuste de 50% anunciado pela empresa, o que vai afetar principalmente as que estão 100% descontratadas, como é o caso da Naturgy, controladora das distribuidoras de gás do Rio de Janeiro, Ceg e Ceg Rio.

A última proposta da Petrobras foi um contrato de quatro anos, com ajuste de 50%, ou de curto prazo sujeito ao mercado spot (à vista), cujos aumentos podem chegar a 200%, segundo Mendonça.

"O aumento para o consumidor será maior ou menor, dependendo de quanto vai precisar comprar da Petrobras, mas estamos aguardando o posicionamento do Cade, não temos outra opção. Para garantir a segurança energética a distribuidora vai ter que assinar", disse Mendonça, observando que cada estado terá um reajuste diferente, dependendo do nível de descontratação.

A expectativa é de que o órgão que cuida da concentração econômica se posicione antes do fim do ano, quando as distribuidoras terão que assinar os contratos com a Petrobras, a fim de garantir o abastecimento em 2022.

"Uma vantagem que temos é que esse não é um processo novo. O entendimento do Cade é de que a operação da Petrobras é um monopólio de fato, não vai partir do zero", observou.

Mendonça ressaltou, no entanto, que mesmo com o aumento de preço, o Gás Natural Veicular (GNV) continua competitivo com a gasolina e o etanol, dois combustíveis que tiveram seus preços elevados durante todo o ano.

PUBLICIDADE