PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Atividade industrial segue tendência de desaceleração em janeiro, diz CNI

Brasília

15/02/2022 10h29

A atividade industrial começou o ano seguindo a tendência de desaceleração verificada no segundo semestre de 2021. A informação é da Sondagem Industrial, divulgada nesta terça-feira, 15, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa aponta ainda que a utilização da capacidade instalada, a produção e o emprego recuaram de dezembro de 2021 para janeiro de 2022.

"O resultado do mês é uma continuidade do que já vinha acontecendo. Dificuldades na produção por conta do problema nas cadeias de suprimentos e demanda mais fraca, por conta da incerteza da economia, desocupação ainda elevada e a perda do poder de compra das famílias por conta da inflação", avalia o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

De acordo com o levantamento, o índice de evolução da produção manteve-se em 43,1 pontos, o que reforça a tendência de queda da produção industrial. O indicador varia de zero a 100, sendo que números abaixo de 50 indicam queda na produção. O emprego industrial apresentou recuo em janeiro deste ano na comparação com dezembro de 2021. O índice de evolução do número de empregados ficou em 48,8 pontos em janeiro ante 48,6 pontos registrados em dezembro do ano passado.

Com relação à utilização da capacidade instalada (UCI), ela foi de 67% em janeiro, o que representa um recuo de um ponto porcentual em relação ao último mês de 2021. De acordo com a CNI, esse é o segundo mês consecutivo de queda da UCI. O resultado ainda é dois pontos porcentuais menor que o registrado em janeiro de 2021 (69%).

O indicador de utilização da capacidade instalada efetiva em relação ao usual registrou 41,4 pontos em janeiro. Esse resultado é 2,2 pontos menor que o verificado em dezembro de 2021 e é o menor indicador para o mês dos últimos cinco anos.

O índice que mede o nível de estoque efetivo em relação ao planejado ficou em 49,9 pontos em janeiro, o que significa, de acordo com a CNI, que o estoque efetivo se encontra praticamente no nível do planejado pelas empresas.

"Desde outubro de 2021, os resultados desse índice vêm ficando próximos aos 50 pontos, ou seja, há quatro meses que o nível de estoques se encontra próximo do planejado pelo empresário", diz a pesquisa.

Já o índice de evolução do nível de estoques foi de 49,4 pontos, um pouco abaixo da linha divisória dos 50 pontos, indicando uma pequena queda dos estoques em relação ao mês anterior.

Expectativas

Apesar da desaceleração na atividade industrial, as expectativas dos empresários seguem otimistas em fevereiro, mas assim como em janeiro, "o otimismo é moderado".

Segundo o levantamento, todos os resultados seguem acima da linha dos 50 pontos, o que indica expectativa de crescimento nos próximos seis meses. Apesar disso, todos os índices estão entre os menores para meses de fevereiro de anos recentes.

O índice de expectativa de demanda teve alta de 1,3 ponto na comparação de janeiro com fevereiro, chegando a 56,7 pontos. O índice de expectativa de exportação registrou 54,0 pontos, um recuo de 1,1 ponto em relação a janeiro. O indicador que mede expectativa de número de empregados ficou em 52,1 pontos, um aumento de 0,5 ponto em relação a janeiro. O índice de expectativas de compras de matérias-primas ficou em 54,1 pontos, o mesmo registrado em janeiro.

Com relação à intenção de investimento, a pesquisa mostrou que o indicador ficou praticamente inalterado, passando de 57,9 pontos em janeiro para 58,2 pontos em fevereiro.

"Assim, permaneceu acima da média histórica, de 50,9 pontos, o que releva intenção elevada de investir", destaca a CNI.

A Sondagem Industrial foi feita de 1º a 10 de fevereiro, com 1.806 empresas, sendo 760 de pequeno porte, 625 médio porte e 421 de grande porte.