PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Paraguai mira acordo Mercosul/Singapura antes de passar comando ao Uruguai

Guarulhos

19/07/2022 15h05

Mesmo sem a presença do presidente Jair Bolsonaro, o governo do Paraguai corre para tentar anunciar o acordo entre o Mercosul e Singapura na Cúpula de Chefes de Estado do bloco nesta semana em Assunção. Em meio à crise aberta pelas negociações bilaterais entre Uruguai e China, o presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, busca encerrar o semestre à frente do Mercosul com um resultado concreto.

As tratativas entre Mercosul e Singapura começaram ainda em 2018 e avançaram neste ano com a 5ª rodada de negociações. Os encontros começaram em maio no país asiático e continuaram em Assunção no mês passado. Cerca de 70 negociadores e especialistas de ambas as partes se debruçaram sobre temas como defesa comercial, barreiras técnicas ao comércio, serviços, comércio eletrônico e assuntos legais e horizontais.

No começo deste mês, o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz, adiantou que, dentre todas as negociações em andamento pelo bloco, o acordo com Singapura era o mais próximo de ser fechado.

Mas, após o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, ter aberto negociações bilaterais por um Tratado de Livre Comércio (TLC) com a China por fora das regras atuais do Mercosul, o acordo comercial com Singapura passou a ter ainda mais prioridade para os demais países do bloco - visto que tem sido negociado dentro da regras da união aduaneira.

No ano passado, as exportações do Mercosul para Singapura alcançaram US$ 5,9 bilhões, enquanto as importações somaram US$ 1,25 bilhão. Por se tratar de um entreposto importante para o comércio no Sudeste Asiático, Singapura é o sexto principal destino das exportações brasileiras, com US$ 939,360 milhões em embarques em junho de 2022, ou 2,88% do total vendido pelo País.

A conclusão do acordo com Singapura é vista ainda pelo Paraguai como uma marca a ser deixada no Mercosul antes da entrega da presidência rotativa do bloco ao Uruguai pelos próximos seis meses. Já o presidente Pou aproveitará a cúpula para defender o seu desejo de negociar um acordo com a China, que encontra resistência nos demais países do grupo.