IPCA
0,26 Set.2023
Topo

Yellen fala em 'consequências altamente adversas', se teto não for elevado nos EUA

São Paulo

24/05/2023 12h30

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, advertiu nesta quarta-feira, 24, para o risco de consequências "altamente adversas", caso o Congresso e a Casa Branca não cheguem a um acordo para elevar o teto da dívida do governo federal. Durante entrevista em evento do Wall Street Journal, a autoridade disse que já vê estresse nos mercados financeiros por causa do impasse, inclusive em leilão de títulos (bills).

Yellen afirmou que o governo enfrentará "decisões muito difíceis" em seus pagamentos, caso o teto da dívida não seja elevado. Anteriormente, ela havia informado em carta que a falta de recursos ocorreria "provavelmente" a partir de 1º de junho. Nesta quarta, Yellen disse que o Tesouro trabalha para atualizar em breve o Congresso sobre a data, buscando dar mais exatidão a ela. De qualquer forma, ela reafirmou ser "altamente provável" que o problema da falta de recursos ocorra no início do próximo mês.

Segundo Yellen, a proposta inicial do governo já era de reduzir o déficit em US$ 3 trilhões, ao longo de dez anos. Nas negociações com a oposição republicana, o presidente Joe Biden propôs um corte extra de US$ 1 trilhão no déficit, apontou. Ela acrescentou que há uma equipe experiente de negociadores tratando do tema.

Yellen disse ainda ser "muito importante" o compromisso de governo e oposição para que o país não entre em default. Isso ajuda a proteger também o dólar e os Treasuries, mencionou. Questionada sobre preparos para um eventual calote, a autoridade disse que o Tesouro não está envolvido nessas conversas, mas sim em buscar contornar o problema.

A secretária do Tesouro disse que a responsabilidade fiscal é "extremamente importante" e que os rumos da política fiscal podem ser discutidos. Segundo ela, o governo Biden tem mostrado esse foco. A questão ao elevar o teto da dívida, reforçou Yellen, é para pagar dívidas já aprovadas pelo Congresso, sem criar novos débitos.