Febraban: Ciclo de flexibilização deve ter consequências positivas a crédito e adimplência

O início do ciclo de cortes na taxa Selic, com a redução de 0,5 ponto porcentual anunciada nesta quarta-feira, 2, deve ter efeito positivo para o crédito e a adimplência dos brasileiros, afirma o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney. Segundo ele, o corte anunciado hoje foi um primeiro passo importante.

"O prosseguimento do ciclo de flexibilização nas próximas reuniões do Copom deverá ter consequências positivas para o mercado de crédito e para a inadimplência", disse Sidney em nota enviada à imprensa.

Entre o final de 2021 e o ano passado, a elevação da taxa Selic de 2% ao ano para os 13,75% em que estava até a reunião de hoje do Copom fez com que a inadimplência das famílias brasileiras aumentasse. Com o serviço da dívida mais caro, muitas deixaram de pagar empréstimos assumidos junto aos bancos ou a outras instituições. Neste ano, o efeito começou a chegar às grandes empresas.

"O início da flexibilização da Selic com a redução dos juros em 0,50 pp representa um primeiro passo importante para reversão da forte restrição monetária por que passa o país nesse difícil e exitoso processo de contenção da escalada inflacionária", afirma ainda o presidente da Febraban.