Haddad diz que cumprimentou Campos Neto pela decisão do Copom: 'Sempre falo com ele'

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira, 3, que cumprimentou o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, pela decisão de quarta-feira do Comitê de Política Monetária (Copom), que abriu o ciclo de corte de juros com a redução da Selic em meio ponto porcentual. "Cumprimentei, sempre falo com ele", disse Haddad ao responder, em entrevista à GloboNews, se entrou em contato com Campos Neto após a decisão, na qual o presidente do BC deu o voto de desempate a favor da redução dos juros em 0,50 ponto porcentual.

Após forte pressão do governo pela redução dos juros, Haddad disse nesta quinta que o País acordou mais aliviado pela convergência da técnica, que pautou, segundo ele, a decisão do Copom, com a política.

Ao se mostrar preocupado com a desaceleração da atividade econômica na margem, o ministro observou que não há mais como dar estímulos fiscais à economia, de modo que o impulso precisa agora vir do lado monetário.

Ele frisou que não adianta manter juros altos para derrubar a inflação para 2% se a perda de dinamismo da economia, com impacto na arrecadação, produzir um rombo no orçamento.

Em tom amistoso nos comentários sobre o trabalho do BC, Haddad disse querer se aproximar da autarquia e que está cada vez mais interessado nos modelos que guiam os movimentos do Copom.

Segundo ele, havia uma ansiedade para que o ciclo de flexibilização monetária tivesse começado antes, e um corte de 0,25 ponto porcentual poderia ter vindo já em maio.

Apesar disso, e dos ataques do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, a Campos Neto, Haddad garantiu que nunca passou pela cabeça do chefe do Executivo mudar a autonomia do BC.