Para Haddad, é factível que transição acomode alíquota do IVA em nível próximo a 25%

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira, 3, que a alíquota ao redor de 25% do IVA, o imposto sobre valor agregado proposto pela reforma tributária, é "muito factível". "Pode ser 26%? Pode, mas pode ser 24% também", declarou Haddad ao falar, em entrevista à GloboNews, sobre a possível alíquota do novo imposto, se tudo sair como o previsto, após a transição ao novo sistema.

Segundo Haddad, o ministério está fazendo simulações para entregar um documento a senadores com a projeção da alíquota.

Ele ponderou que exceções podem elevar a alíquota. "Quanto maiores forem as exceções, maior terá que ser a alíquota base para compensar as exceções", disse o ministro. "Estamos pegando cada item de exceção na reforma tributária e vamos dizer quanto vai custar", acrescentou.

Apesar disso, Haddad avaliou que a alíquota do IVA será necessariamente menor do que a carga tributária atual, de 34%. Isso será possível porque, pontuou, a reforma vai aumentar a base de tributação e reduzir a litigiosidade.

Segundo o ministro, a tramitação da reforma no Senado foi facilitada, após o debate na Câmara. "A PEC da reforma tributária está legal, o Senado fará trabalho de edição sobre o que deu ruído", assinalou.