Comitê de monitoramento da Opep+ reafirma acordo para conter oferta, sem novas recomendações

O Comitê de Monitoramento Ministerial Conjunto (JMMC, na sigla em inglês) da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) realizou reunião por videoconferência nesta sexta-feira, 4, e, no encontro, não realizou novas recomendações sobre o acordo em vigor para conter a oferta da commodity pelo grupo. Em comunicado divulgado nesta sexta, o JMMC diz que reafirmou o compromisso dos países membros com o acordo já existente, que se estende até o fim de 2024, conforme já combinado em reunião ministerial de junho deste ano.

O JMMC revisou dados de produção de petróleo nos meses de maio e junho deste ano e o nível de conformidade dos membros do grupo com o pacto já firmado. "O comitê pede a todos os países participantes que atinjam conformidade total e se unam ao mecanismo de compensação", diz o texto.

O comitê também informa que se decidiu por um ajuste nas reuniões do JMMC, de mensais para a cada dos meses. A autoridade do JMMC deve realizar reuniões adicionais, ou convocar reuniões da Opep+, como combinado em outubro de 2022, aponta o texto. O comitê diz, de qualquer modo, que continuará a monitorar de perto as condições de mercado e que está de prontidão para agir de modo adicional, se for o caso.

O JMMC ainda "expressa seu total reconhecimento e apoio" aos esforços da Arábia Saudita para apoiar a estabilidade do mercado de petróleo e elogia seu corte adicional de 1 milhão de barris por dia (bpd), que será estendido também para o mês de setembro.

Também menciona a redução voluntária na oferta da Rússia em suas exportações, de 300 mil bpd para setembro.

A próxima reunião do JMMC fica marcada para 4 de outubro, diz o texto.