Ata: política contracionista no horizonte é necessária para consolidar convergência e ancoragem

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central afirmou, na ata da reunião da semana passada, que a análise das projeções de inflação em diferentes cenários evidenciou a "necessidade de se manter uma política monetária ainda contracionista pelo horizonte relevante para que se consolide a convergência da inflação para a meta e a ancoragem das expectativas".

Na semana passada, o Copom iniciou o ciclo de afrouxamento da Selic com uma queda de 0,50pp, de 13,75% para 13,25% ao ano, após um ano de estabilidade. O BC ainda reforçou seu compromisso com a convergência para a meta no horizonte relevante, que hoje inclui os anos de 2024 e, em menor grau, de 2025.

Foram analisadas as projeções de inflação no cenário de referência (que considerava uma primeira queda de juros de 0,25 ponto porcentual na semana passada), no cenário com redução de juro de 0,50 ponto porcentual nesta reunião (o que de fato ocorreu) e em cenários alternativos com base no balanço de riscos.

Assim como no comunicado, o BC ainda repetiu que a extensão do ciclo ao longo do tempo dependerá de alguns fatores. São eles: evolução da dinâmica inflacionária, em especial dos componentes mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica, as expectativas de inflação, em particular as de maior prazo, suas projeções de inflação, o hiato do produto e o balanço de riscos.

"O Comitê mantém seu firme compromisso com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante e reforça que a extensão do ciclo refletirá o mandato legal do Banco Central."